Sem contexto, título alardeia sobre suposto pedido de prisão de Gleisi Hoffmann
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Sem contexto, título alardeia sobre suposto pedido de prisão de Gleisi Hoffmann

Diferentemente do que circula nas redes sociais, a Procuradoria-Geral da República não pediu a prisão da petista nos últimos dias; vídeo que acompanha link suspeito é antigo e fala sobre processo já julgado no STF

Paulo Roberto Netto

04 de julho de 2019 | 15h50

A deputada federal Gleisi Hoffmann (PT-PR) participa da CPI do BNDES, na Câmara dos Deputados, em Brasília. Foto: Gabriela Biló / Estadão (17/06/2019)

Um link sinalizado como suspeito circula as redes sociais desde o domingo, 30, afirmando falsamente que a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu a prisão da deputada federal Gleisi Hoffmann (PT-PR). A desinformação circula acompanhada de um trecho de um programa antigo da Jovem Pan sobre um inquérito já julgado pelo STF envolvendo a petista.

A última movimentação da Procuradoria-Geral da República envolvendo Gleisi Hoffmann foi um pedido feito por Dodge ao STF para encaminhar o processo da petista no “Quadrilhão do PT” à 13ª Vara Federal de Curitiba, o tribunal da Lava Jato em primeira instância.

Documento

A deputada é suspeita de integrar organização criminosa e cometer lavagem de dinheiro em crimes contra a Petrobras, o Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG).

A movimentação se deve ao fato de jurisprudência do Supremo sobre mandatos cruzados: senadores que foram eleitos deputados, como no caso de Hoffmann, ou vice-versa perdem o foro privilegiado. O benefício é concedido apenas investigações relativas a casos envolvendo o atual mandato, e não anteriores. Por essa razão, o caso sai das mãos do Supremo e passa pra primeira instância, em Curitiba.

Procurado pelo Estadão Verifica, o gabinete da deputada Gleisi Hoffmann afirma que “a defesa está aguardando a manifestação do relator no STF, ministro Edson Fachin, para se posicionar sobre o caso”.

Vídeo antigo. Outro ponto que acompanha a desinformação é um trecho antigo do programa “Os Pingos nos Is”, da rádio Jovem Pan. O trecho destaca um pedido de Raquel Dodge pela condenação de Gleisi Hoffmann, a perda de seu mandato e pagamento de multa de R$ 4 milhões aos cofres públicos. O caso se refere à Ação Penal 1003, já julgada pelo STF.

Sem contexto, o vídeo induz o espectador a acreditar que se trata de um pedido recente e relacionado ao título de prisão. No entanto, a manifestação de Dodge ocorreu no dia 24 de novembro de 2017 – mesma data em que o programa da Jovem Pan foi exibido.

O caso também já está desatualizado: em 19 de junho do ano passado, a segunda turma do STF absolveu Hoffmann por 3 votos a 2 das acusações de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Tendências: