Reuniões com partidos fazem parte das atribuições da missão de observação da OEA

Reuniões com partidos fazem parte das atribuições da missão de observação da OEA

Organização não vai fazer auditoria das eleições; papel da delegação é produzir um relatório com recomendações

Estadão Verifica

27 de outubro de 2018 | 18h16

checagem abaixo foi publicada pelo Projeto Comprova. A verificação foi realizada por uma equipe de jornalistas do Estado e de O Povo. Outras redações concordaram com a checagem, no processo conhecido como “crosscheck”.

Projeto Comprova é uma coalizão de 24 veículos de mídia com o objetivo de combater a desinformação durante o período eleitoral. Você pode sugerir checagens por meio do número de WhatsApp (11) 97795-0022.

reunião entre representantes da Organização dos Estados Americanos (OEA) e a chapa do candidato à presidência Fernando Haddad (PT) nesta quinta-feira, 25, ocorreu dentro da legalidade. A OEA informou que também tem convidado, desde agosto, a equipe da campanha de Jair Bolsonaro (PSL) para um encontro, mas nunca obteve resposta.

Para fazer essa verificação, o Comprova entrou em contato com a OEA e reportagens que explicaram o papel da missão da missão nas eleições brasileiras. O Comprova também contatou a assessoria da campanha de Bolsonaro, mas não foi respondido até o momento.

Mensagens no WhatsApp sugerem que a reunião da OEA com o petista seria suspeita e afirmam que a missão internacional tem papel de auditoria nas eleições 2018 — o que não é verdade. O objetivo da delegação é analisar aspectos como financiamento de campanha, liberdade de imprensa e participação de mulheres e minorias.

Ao final, é produzido um relatório com conclusões e recomendações ao Brasil e ao Conselho Permanente da OEA. O documento não tem o efeito de alterar o resultado do pleito.

É normal que missões de observação internacionais como a da OEA ouçam queixas de candidatos, o que não significa, no entanto, um endosso às críticas. Neste período eleitoral, a delegação já esteve com representantes de partidos como Rede Sustentabilidade, PDT e Novo. Nas eleições do Paraguai deste ano, por exemplo, a missão se comprometeu a se encontrar com legendas e candidatos “para aprender sobre aspectos técnicos e reunir observações sobre as eleições”.

“As missões de observação eleitoral da OEA sempre entram em contato com todos os partidos e campanhas porque é importante para nós escutar todas as vozes e conhecer as diferentes perspectivas sobre o processo eleitoral. O Brasil não foi uma exceção”, comunicou a OEA ao Comprova.

A chefe do grupo da OEA, a ex-presidente da Costa Rica Laura Chinchilla, já esteve à frente de atividades de observação de eleições no Paraguai (2018), Estados Unidos (2016) e México (2015). A organização faz trabalhos dessa natureza desde 1962 — neste período foram enviadas 250 missões a 27 países.

O boato foi enviado repetidas vezes ao WhatsApp do Comprova e do Estadão Verifica. Uma versão no Twitter que dizia que a missão da OEA era formada por “auditores” chegou a 2,4 mil curtidas e 1,6 mil retweets.

Neste sábado e domingo, a equipe do Comprova se uniu a outras cinco agências de checagens de notícias no Brasil para checar as mensagens de conteúdo suspeito nesta reta final das eleições. A ideia de juntar forças é para ganhar mais agilidade e aumentar o alcance das checagens. A parceria reúne o Fato ou Fake, Projeto Comprova, Lupa, Aos Fatos, Boatos.org e E-Farsas.

Tudo o que sabemos sobre:

oeafernando haddadjair bolsonaro

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.