Restrição a festas de fim de ano em SP vale apenas para estabelecimentos comerciais
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Restrição a festas de fim de ano em SP vale apenas para estabelecimentos comerciais

Reuniões familiares não estão proibidas; trecho de entrevista com governador João Doria circula fora de contexto

Pedro Prata

04 de dezembro de 2020 | 17h23

É enganoso um vídeo que circula nas redes sociais alegando que o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), proibiria reuniões familiares nas festas de fim de ano. As imagens fazem parte de uma coletiva de imprensa realizada em 30 de novembro, para falar de medidas de combate ao novo coronavírus, e foram retiradas de contexto. Na verdade, as restrições valem apenas para estabelecimentos comerciais.

O vídeo foi enviado por leitores ao WhatsApp do Estadão Verifica, (11) 97683-7490, para checagem.

Foto: Reprodução

O vídeo original está disponível no YouTube do governo estadual e pode ser visto a partir de 1h12m7s. Doria diz: “O governo do Estado de São Paulo vai aplicar medidas proibindo qualquer tipo de festa, festividade, celebração, privada ou pública, enquanto não tivermos a vacinação dos brasileiros de São Paulo. Não vamos permitir e adotaremos medidas legais e que se sobrepõem, inclusive, a medidas municipais, para impedir a realização de festas. Nem de réveillon, nem festas celebrativas, sejam públicas ou privadas.”

O trecho fora de contexto está sendo compartilhado com uma legenda que diz que “quem passar o Natal em família vai ser preso pelo Doria”. A Secretaria de Comunicação do Estado esclareceu que a declaração do governador “refere-se apenas a festas que ocorram em bares, restaurantes, hotéis, salões de festas e demais estabelecimentos comerciais que são regulamentados pelo Plano São Paulo”.

O Plano São Paulo é o conjunto de regras que estabelece a retomada dos setores da economia no Estado ou à adoção de ações restritivas ao funcionamento de estabelecimentos comerciais.

O Centro de Contingência de Combate à Covid-19 orientou que a população se reúna em até dez pessoas nas reuniões familiares de fim de ano. O coordenador do grupo, José Medina, aconselhou que os encontros tenham curta duração, de até uma hora, e que os mais velhos sejam protegidos.

O Estado de São Paulo inteiro regrediu para a fase amarela em 30 de novembro, um dia após o segundo turno das eleições 2020, no qual o Prefeito de São Paulo Bruno Covas (PSDB) foi reeleito. A principal diferença para a fase anterior (verde) é a redução do atendimento de 60% para 40% da capacidade total e o funcionamento por no máximo dez horas.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.