Para atacar Randolfe, postagem homofóbica espalha falso boato sobre seu chefe de gabinete

Para atacar Randolfe, postagem homofóbica espalha falso boato sobre seu chefe de gabinete

Corrente em redes sociais insinua que senador seria casado com assessor, o que não é verdade

Gabi Coelho e Daniel Tozzi Mendes, especial para o Estadão

14 de outubro de 2021 | 17h49

Circula nas redes sociais uma mensagem que diz que o vice-presidente da CPI da Covid, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), é casado com o economista Charles Achcar Chelala. O texto, repleto de termos homofóbicos, dá a entender que Chelala receberia “salário de R$ 23 mil”, “aluguel de R$ 2,7 mil” e auxílio “nas contas de água e luz” por ser marido de Randolfe. No entanto, Charles não é casado com o senador, e sim com a professora Cláudia Chelala. O economista desempenha a função de chefe de gabinete de Randolfe no Senado desde 2015. 

Leitores solicitaram a checagem deste conteúdo por WhatsApp, (11) 97683-7490. 

O senador Randolfe Rodrigues durante sessão da CPI em 28/09. Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Em seu perfil no Twitter, Chelala se apresenta como “Casado com Cláudia. Pai de Samir e Nader. Professor, mestre em Desenvolvimento Regional”. A mulher do assessor é a também economista Cláudia Chelala, professora e pesquisadora da Universidade Federal do Amapá (Unifap). Em 2019, os dois lançaram um livro juntos, a partir do trabalho dos seus respectivos grupos de pesquisa na Unifap.

Cláudia também é mencionada na seção de agradecimentos da tese de mestrado de Chelala, de 2008. “À minha esposa, Cláudia Chelala, mestra, companheira, amiga e cúmplice”, escreveu

Documento

O chefe de gabinete de Randolfe também confirmou ser casado com Cláudia em uma verificação recente do Estadão Verifica. Na oportunidade, ele mencionou que seus automóveis estão registrados no nome da esposa. 

Em nota enviada nesta quarta-feira, 13, Chelala classificou o boato de que seria marido de Randolfe como uma tentativa de atacar sua honra e a do senador. “Fui nomeado para assumir um cargo no mandato em 2011, tão logo Randolfe tomou posse como senador”, disse. “Fiquei até o final de 2012, visto que em 2013 assumi o cargo de Secretário de Governo da prefeitura de Macapá. Em janeiro de 2015 retornei às minhas atividades no mandato do senador Randolfe Rodrigues, lugar onde estou até hoje”. 

Já Randolfe, que é pai de dois filhos, declarou seu estado civil nas eleições de 2018 como “divorciado”. 

No início deste mês, outro integrante da CPI da Covid, o senador Fabiano Contarato (Rede-ES) expôs durante sessão da comissão um ataque homofóbico praticado contra ele pelo empresário Otávio Fakhoury, que prestava depoimento aos parlamentares. “Mais uma vez, tive que expor minha vida e minha família para chamar atenção para as inumeráveis violências que pessoas e famílias LGBTQIA+ sofrem diariamente no Brasil”, escreveu Contarato em artigo para o Estadão.

Remuneração 

De acordo com o Portal de Transparência do Senado, a remuneração de Chelala como funcionário comissionado do Senado, de fato, é próxima dos R$ 23 mil. No mês de setembro, o salário base recebido pelo chefe de gabinete foi de R$ 22.943,73. O portal ainda menciona um valor de R$ 982,28 referente ao pagamento de auxílio alimentação. Não há menção a quaisquer outros valores relacionados a aluguel ou “auxílio nas contas de água e luz”, como dito nas publicações das redes sociais.  

O nome de Chelala e o do senador Randolfe Rodrigues já foram usados em outras postagens com alegações falsas. Em agosto de 2021, verificação do Estadão Verifica mostrou como publicações tiraram documentos de contexto para afirmar que o chefe de gabinete de Randolfe praticou a chamada “rachadinha”. 

As agências Lupa e Boatos.org também checaram este boato. 

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.