Imagem de apoio a Bolsonaro em prédio de Belo Horizonte é montagem

Imagem de apoio a Bolsonaro em prédio de Belo Horizonte é montagem

A autora da publicação confirmou ao Comprova que o vídeo se trata de uma montagem

Projeto Comprova

21 de fevereiro de 2022 | 15h35

Esta checagem foi produzida por jornalistas da coalizão do Comprova. Leia mais sobre nossa parceria aqui.

  • Conteúdo verificado: Um vídeo publicado na rede social TikTok exibe um prédio localizado na Avenida Bernardo Vasconcelos, em Belo Horizonte. Na fachada, projeta-se uma animação da bandeira do Brasil e de imagens do presidente Jair Bolsonaro, com a mensagem: “BH é Bolsonaro”.

É falso que um prédio localizado em Belo Horizonte, capital de Minas Gerais, tenha recebido a projeção de uma propaganda favorável ao presidente da República, Jair Bolsonaro (PL). Um vídeo publicado no TikTok mostra a Avenida Bernardo Vasconcelos, no bairro Cachoeirinha, com um prédio ao fundo. Sobreposta ao edifício está a frase “BH é Bolsonaro”, acompanhada por uma bandeira do Brasil. Duas fotos do presidente também aparecem no prédio ao longo do vídeo de 14 segundos. O edifício tem parte das janelas iluminadas, que juntas formam um coração.

A autora da publicação confirmou ao Comprova que o vídeo foi editado para incluir a mensagem favorável a Bolsonaro. Ela afirmou que usa o perfil no TikTok para divulgar sua marca de camisetas, e a primeira coleção teve o tema “Bolsonaro/Brasil”, e que, por isso, fez a montagem. A verificação do conteúdo foi sugerida por um leitor do Comprova.

Montagem: sinais como diferença na qualidade entre partes da foto indica que alguma delas foi modificada digitalmente. Foto: Reprodução

Comentários feitos na postagem indicam que há usuários da plataforma que acreditam que a propaganda é verdadeira. “Que lindooo parabéns BH tenho orgulho de ver esse rosto sincerio (sic) do nosso presidente estampado em todos lugares que eu vou tamos juntos Capitão”, escreveu uma pessoa. Em outro caso: “agora sim me orgulhei de BH”, disse um internauta.

O prédio que aparece na publicação aqui verificada é da empresa de aluguel de carros Localiza, que, em nota, negou ter realizado qualquer homenagem a Bolsonaro no local ou que a fachada tenha sido usada para projeção envolvendo política.

O professor da área de audiovisual da Faculdade de Comunicação da Universidade de Brasília (UnB) Maurício Gomes da Silva Fonteles analisou o vídeo e disse que diferenças de foco e qualidade de imagem demonstram que a propaganda favorável a Bolsonaro não estava presente no conteúdo original e foi inserida por meio de edição.

O Comprova classificou o conteúdo como falso porque cria uma situação que não existiu.

Como verificamos?

O leitor do Comprova, que enviou o vídeo para a equipe sugerindo a investigação, disse que o prédio que aparece na imagem pertence à empresa Localiza, que fica na Avenida Bernardo Vasconcelos, em Belo Horizonte. Nosso primeiro passo foi verificar essa informação, que foi confirmada em pesquisa no Google Street View (1 e 2). Posteriormente, a Localiza também atestou que o vídeo mostrava sua sede em Belo Horizonte.

Imagens correspondem aos elementos que aparecem no vídeo, como as luzes em formato de coração e a placa de sinalização. Foto: GoogleStreetView/Reprodução

O Comprova buscou o nome do perfil do TikTok em outras redes sociais e encontrou a conta de uma empresa de marketing digital localizada em Ipatinga (MG). No perfil, foi possível obter o número de WhatsApp pelo qual entramos em contato com a autora, que confirmou ter feito a montagem.

Em seguida, a equipe procurou por especialistas que pudessem analisar o tipo de edição realizada no vídeo. Entrevistamos o professor da UnB Maurício Fonteles.

Por fim, consultamos a legislação sobre eleições e perguntamos ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) se a publicação poderia ser considerada propaganda antecipada.

Verificação

Análise do vídeo

Professor da UnB, Maurício Fonteles avalia que a edição no vídeo é grosseira. De acordo com ele, observando a imagem é possível perceber que há desconexão entre o prédio e a propaganda com referência a Bolsonaro, pois há diferença de qualidade entre as duas imagens, com o edifício mais desfocado que a imagem sobreposta a ele. “Não tem como você ter o prédio desfocado e o que está projetado nele estar completamente focado”, explica o professor.

Segundo Fonteles, outro elemento relevante é a comparação entre a velocidade dos carros que passam na via e o movimento da bandeira que aparece na imagem sobreposta ao prédio. É possível constatar que o vídeo original foi acelerado. Os veículos passam rápido demais pelas ruas, todos em velocidade semelhante. Por outro lado, a bandeira projetada no edifício se move “em tempo real”.

É possível ver também no vídeo uma outra bandeira menor, que está localizada ao lado esquerdo do prédio em destaque. Neste caso, o objeto se move rapidamente, no mesmo ritmo que os carros, o que demonstra que ele faz parte da composição original. “Existem vários elementos que provam tranquilamente que aquilo ali (a propaganda a Bolsonaro) é uma sobreposição de imagem em um vídeo que já estava pronto”, afirma Fonteles.

Captura de tela do vídeo publicado no TikTok. Em destaque estão a bandeira ao lado do prédio e carros em alta velocidade por causa do vídeo acelerado.

 

 

 

O professor afirma que alguns pontos simples podem ser analisados para verificar se um vídeo ou foto passou por edição. Entre eles estão qualidade, foco e proporções e distorções da imagem. Se for possível perceber diferentes elementos com qualidade mais alta ou mais baixa na mesma composição, pode ser indício de que houve edição em um produto.

Segundo Fonteles, o foco é outro ponto que chama atenção em imagens que passaram por mudanças. “As câmeras têm o foco em um lugar específico. Se tenho um foco na frente, com uma pessoa em primeiro plano, e lá atrás estou vendo outra coisa que está completamente focada, tem alguma coisa errada. Normalmente esse foco variaria, com o fundo desfocado. Se tenho um texto ao fundo, por exemplo, ele também deveria estar desfocado. Se existir uma sobreposição grosseira, ela fica bem latente”, explica.

O que diz a autora

O Comprova entrou em contato com a autora do post, que se identificou apenas como Jaqueline, por meio do WhatsApp. A mulher confirmou que o vídeo é uma montagem feita com o intuito de divulgar os serviços de animação da empresa, mas negou que haja motivação política. Questionamos o porquê das publicações serem focadas em Bolsonaro, uma vez que não há intenção partidária. Ela afirmou que começou a publicar as montagens usando imagens de grandes cidades após pedido dos seguidores. No perfil da loja, há vídeos editados de forma semelhante ao caso aqui verificado, com referências a outras cidades como Goiânia, São Paulo e Curitiba.

“Fiz um (vídeo) de Ipatinga e os seguidores pediram de outros estados. Vendo camisas e a primeira coleção era o tema ‘Bolsonaro/Brasil’. Abrimos o TikTok e deu essa repercussão. Mas não fazemos só desse tema, outras coleções serão divulgadas também. Só não deu tempo ainda”, explicou.

Jaqueline afirmou que não vai mais usar fotos ou nomes de candidatos em suas publicações, exceto na divulgação das camisas, que fazem parte do seu trabalho.

Iluminação do prédio

Em abril de 2020, a empresa de marketing ABC da Comunicação repercutiu que a Localiza iluminou a fachada de sua sede com o formato de coração, em ato relacionado aos desafios criados pela pandemia. Imagens divulgadas na época são semelhantes àquelas usadas na base do vídeo verificado.

Procurada pelo Comprova, a Localiza confirmou que o prédio mostrado no vídeo é a sede da empresa em Belo Horizonte. Porém, negou que tenha sido feita homenagem a Bolsonaro no local. “A Localiza esclarece que é uma empresa apartidária e que não houve qualquer projeção em sua sede em Belo Horizonte alusiva a questões envolvendo política ou políticos”, informou.

O vídeo pode ser considerado propaganda eleitoral antecipada?

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) tem regras claras que fazem a diferenciação da propaganda partidária para a propaganda eleitoral, bem como estipula eventuais penalidades para quem descumprir as normativas.

A resolução 23.610 do TSE de dezembro de 2019 trata das eventuais condutas ilícitas no que diz respeito à propaganda eleitoral, que só é permitida a partir de 16 de agosto do ano da eleição.

Considera-se propaganda antecipada passível de multa aquela divulgada extemporaneamente cuja mensagem contenha pedido explícito de voto ou que veicule conteúdo eleitoral em local vedado.

Não é permitida, por exemplo, a veiculação de material de propaganda eleitoral em bens públicos ou particulares, exceto em alguns casos. São eles: bandeiras ao longo de vias públicas, desde que móveis e que não dificultem o bom andamento do trânsito de pessoas e veículos; além de adesivo plástico em veículos e janelas residenciais, desde que não exceda a 0,5m² (meio metro quadrado).

O material analisado não é considerado propaganda antecipada, uma vez que não envolve pedido explícito de voto, tampouco faz menção à pretensa candidatura.

Portanto, o material analisado pelo Comprova – ainda que seja uma montagem – não configura propaganda eleitoral antecipada.

Por que investigamos?

O Comprova investiga conteúdos suspeitos sobre pandemia, políticas públicas e eleições. O projeto observa os dados de viralização e o impacto desses conteúdos para decidir pela verificação. Nos últimos anos, tem se tornado comum a circulação de mensagens e informações falsas com o intuito de descredibilizar e tumultuar o processo eleitoral no país.

A publicação analisada nesta checagem do Comprova foi publicada na rede social TikTok e, até o dia 18 de fevereiro, tinha mais de 11,4 mil visualizações. A situação traz à tona a falsa impressão de que uma empresa, a Localiza, estaria fazendo uma homenagem e, por conseguinte, uma demonstração de apoio ao presidente Jair Bolsonaro.

Conteúdos como esse podem passar a impressão entre usuários das redes sociais que um setor da economia, o empresariado, estaria apoiando um determinado candidato.,

O conteúdo investigado pelo Comprova foi alvo também de apuração do Boatos.orgLupa e Aos Fatos, sendo classificado como falso nas três situações.

O Comprova investigou recentemente que um post engana ao confundir resultado fiscal com crescimento do PIB em 2021 e o caso de uma empresa que foi multada por pagar propinas, mas publicações enganosas nas redes sociais afirmavam que a instituição estava envolvida em fraude de urnas eletrônicas usadas em eleições brasileiras.

Para o Comprova, falso é o conteúdo inventado ou que tenha sofrido edições para mudar o seu significado original e divulgado de modo deliberado para espalhar uma mentira.

Tudo o que sabemos sobre:

fake news [notícia falsa]jair bolsonaro

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.