Foto de presidente da Ucrânia com uniforme militar é de antes da guerra contra a Rússia

Foto de presidente da Ucrânia com uniforme militar é de antes da guerra contra a Rússia

Post viral no Facebook tira de contexto o registro de uma visita de Volodmir Zelenski a instalação militar próxima a área controlada por separatistas, em abril de 2021

Samuel Lima

01 de março de 2022 | 12h38

Perfis no Facebook estão compartilhando uma foto do presidente da Ucrânia, Volodmir Zelenski, com uniforme militar, elogiando a coragem do chefe de Estado ter ido “lutar junto a seu Exército” na guerra contra a Rússia. O registro, porém, é de abril de 2021, antes da invasão russa, que ocorreu apenas em fevereiro deste ano. Zelenski estava em uma missão oficial em instalações avançadas das forças armadas ucranianas, perto da zona de conflito com grupos separatistas.

O Estadão Verifica chegou ao conteúdo original por meio de uma busca reversa de imagens na plataforma TinEye. A fotografia aparece em diversos veículos de imprensa — como o tabloide britânico Daily Mail, a rede de televisão canadense CBC News e a agência France 24 — sempre creditada à Reuters. A agência de notícias internacional, por sua vez, descreve a cena em uma reportagem daquela época com a legenda: “O presidente da Ucrânia, Volodmir Zelenski, visita posições das forças armadas perto da fronteira com o território dos separatistas apoiados pela Rússia na região de Donbas, na Ucrânia”.

Foto de Zelensky vestindo uniforme militar é de abril de 2021. (Reprodução/Reuters)

Com a dica da Reuters no crédito de que se trata de um material distribuído pelo governo da Ucrânia, o blog chegou a uma galeria de fotos oficiais de Zelenski em Donbas contendo o mesmo registro. A página informa a data de publicação como sendo 8 de abril de 2021, um dia antes do informado pela agência de notícias.

De acordo com reportagem da CNN, que acompanhou de perto a viagem do presidente da Ucrânia para a cidade de Mariupol, a região é alvo de conflitos com separatistas desde 2014, quando a Rússia anexou o território da Crimeia. A localidade é majoritariamente formada por falantes russos e tem um contingente significativo de rebeldes que exigem a independência da capital Kiev. A visita de Zelenski ocorreu pouco depois do presidente da Rússia, Vladimir Putin, mobilizar tropas para a fronteira com a Ucrânia, despertando temores de uma invasão já naquela época.

A operação militar da Rússia contra a Ucrânia, porém, ocorreu apenas na madrugada de quinta-feira, 24 de fevereiro de 2022, cerca de 10 meses depois do registro que agora circula nas redes sociais como se mostrasse Zelenski na linha de frente contra os invasores. Na sexta-feira, 25 de fevereiro, o presidente ucraniano pediu conversas diretas com Putin. Acompanhe as últimas notícias sobre a guerra com a cobertura em tempo real do Estadão.

Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.