Postagens manipulam cartaz de estudante em protesto contra o governo para elogiar Bolsonaro
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Postagens manipulam cartaz de estudante em protesto contra o governo para elogiar Bolsonaro

Montagem que viralizou no Facebook troca os dizeres ‘sem educação, já basta o presidente’ por ‘acabou a mamata’ e outras frases; foto original é de manifestação de 2019 contra cortes de verbas a instituições de ensino

Samuel Lima

10 de julho de 2021 | 18h18

Apoiadores do presidente Jair Bolsonaro estão compartilhando no Facebook a montagem de uma jovem que segura um cartaz com termos como “acabou a mamata” e “Brasil dos sanguessugas”. As frases foram inseridas digitalmente em uma foto tirada durante um protesto de estudantes contra o governo Bolsonaro, em 2019. O cartaz real dizia: “Sem educação, já basta o presidente.”

O Estadão Verifica não conseguiu determinar a origem exata da foto ou quem seria a jovem retratada. Porém, as buscas reversas da imagem no Google mostram uma série de conteúdos publicados em 15 de maio de 2019 como sendo o registro mais antigo na internet. Políticos como a ex-senadora Marina Silva (Rede-AC) e o deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP) compartilharam a foto em seus perfis no Twitter.

Nessa data, milhares de estudantes, professores e outros profissionais de ensino foram às ruas de 250 cidades brasileiras questionar cortes orçamentários do Ministério da Educação (MEC), que afetaram principalmente as universidades públicas federais. Foi a primeira grande manifestação contra Bolsonaro, cinco meses depois de este assumir seu mandato como presidente da República. 

O ministro da época ainda era Abraham Weintraub, cuja passagem ficou marcada por ataques contra as instituições de ensino superior e outras polêmicas. Quinze dias antes dos protestos, em entrevista ao Estadão, Weintraub havia anunciado o bloqueio de 30% nas verbas destinadas a três universidades específicas. 

A justificativa veio em tom de ameaça. Segundo ele, o ministério reduziria verbas de universidades que estivessem promovendo “balbúrdia” em vez de buscar o desempenho acadêmico esperado, sem detalhar os critérios. Mais tarde, o MEC divulgou que esse bloqueio valeria para todas as instituições de ensino controladas pela pasta, como forma de ajuste das contas públicas. Em 15 de maio, o corte total chegou a R$ 1,7 bilhão, sobre 63 universidades e 38 institutos.

A foto da crítica da estudante ao governo virou um meme frequente depois disso, o que dificulta identificar o primeiro compartilhamento. Segundo reportagem do G1, a concentração do ato pela educação em 2019 ocorreu em frente ao Museu Nacional, na Esplanada dos Ministérios, em Brasília. 

Capturas do Google Maps permitem confirmar que a foto foi tirada em frente ao prédio, mas em direção ao outro lado da rua. Ao fundo, aparecem o Teatro Nacional Cláudio Santoro e as sedes da Confederação Nacional do Comércio (CNC), da Confederação Nacional da Indústria (CNI) e do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), que ficam na parte oposta do Eixo Monumental.

Fundo da foto é o mesmo que o do lado oposto ao Museu Nacional, em Brasília. / Foto: Reprodução Google Maps

Em relação ao conteúdo manipulado, vários elementos causam estranheza e indicam que se trata de uma montagem. Primeiro, o cartaz apresenta tonalidades diferentes em alguns locais, porque houve desleixo ao apagar as letras. Pelo mesmo motivo, as linhas erradas na borda do papel e a sobreposição nas mãos da jovem. Por fim, a frase elogiosa a Bolsonaro está escrita com uma grafia computadorizada, em vez de rabiscada à mão. 

O próprio conteúdo também gera desconfiança: peças de desinformação costumam apelar para as emoções e, muitas vezes, contêm erros gramaticais, letras maiúsculas e alarmismo. O Estadão Verifica fez um compilado de dicas para ajudar a identificar e evitar espalhar boatos nas redes e também um passo a passo para fazer buscas reversas de imagens e descobrir a origem de fotos suspeitas como essa. Recebemos ainda sugestões de checagem pelo WhatsApp: (11) 97683-7490.

O conteúdo checado circula desde 2019, mas viralizou novamente nos últimos dias no Facebook. A Lupa também investigou a peça e constatou que é falsa.


Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente. 

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.