Postagem engana ao relacionar lambida de cachorro com ferimento na boca
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Postagem engana ao relacionar lambida de cachorro com ferimento na boca

Infecção nos lábios é causada por bactérias que podem estar presentes em todos os seres humanos

Guilherme Bianchini, especial para o Estado

02 de outubro de 2020 | 16h53

É falso que uma lambida de cachorro cause inchaço e inflamação na boca. Uma publicação viral no Facebook mostra em imagens a evolução de uma ferida no local, supostamente provocada por uma bactéria contida na saliva do animal. Especialistas, porém, esclarecem que o simples contato com um cão é incapaz de causar lesões como as mostradas na postagem. A origem mais comum deste ferimento é associada aos estafilococos, bactérias que podem estar presentes em qualquer ser humano.

“É um absurdo pensar que isso aconteceu só por causa do animal”, explica Marcelo Otsuka, coordenador do Comitê de Infectologia Pediátrica da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI). “Eles transmitem algumas doenças para seres humanos, mas é muito raro. Provavelmente já havia algum ferimento no local, e não houve higiene adequada. Não foi simplesmente uma lambida”.

Lambida de cachorro é inadequada, mas não é a causa direta de infecção na boca. Foto: Pixabay

Segundo o infectologista, a lesão mostrada na foto costuma estar relacionada a condições pré-existentes, como uma contaminação ou uma fissura no lábio, e não à saliva do cachorro. “Se você tem um ferimento e alguém te dá um beijo na boca, uma bactéria pode causar uma lesão no local caso não haja higiene adequada”, acrescenta.

Para investigar as causas da ferida, Otsuka cita três itens importantes que podem estar relacionados ao agravamento da lesão:

  • Condição do lábio. É preciso checar se ele já está machucado ou possui alguma outra escoriação
  • Estado de saúde do paciente. Casos de imunodepressão ou câncer podem facilitar o desenvolvimento deste tipo de infecção
  • Agente infeccioso. Além dos estafilococos e de outras bactérias, a boca pode estar infestada de larvas de insetos que causam a berne, uma infecção dermatológica

O especialista reforça que a higiene adequada da boca, somada a cuidados dentários, é suficiente para eliminar grande parte dos riscos. Em caso de ferimento, é necessário mantê-lo limpo e coberto.

Diretor da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), Egon Daxbacher afirma que é inviável fazer um diagnóstico apenas por foto, sem examinar o paciente nem consultar o histórico médico. Mesmo assim, ele destaca que a lesão da imagem não apresenta nenhum aspecto de infecção causada por lambida de cachorro — embora o contato com a boca de animais não seja recomendado.

Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

Tudo o que sabemos sobre:

fake news [notícia falsa]cachorro

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.