Post no Facebook tira de contexto vídeos de chuvas no Sudeste

Imagens de três cidades diferentes foram utilizadas em publicação falsa na rede social

Alessandra Monnerat

04 de fevereiro de 2020 | 23h53

Imagens de três cidades diferentes foram usadas em uma publicação falsa no Facebook para ilustrar a forte chuva que recentemente atingiu Caruaru, em Pernambuco. Um usuário da rede social juntou registros de Contagem, em Minas Gerais, Iconha, no Espírito Santo, e  Campina Grande, na Paraíba.

Dois vídeos mostram uma enxurrada arrastando barracas de uma feira. Isso ocorreu no dia 19 de janeiro, no bairro Amazonas, em Contagem. Uma das filmagens mostra até mesmo pessoas levadas pelas águas. Veja o vídeo abaixo.

Outra gravação é de Iconha, do dia 18 de janeiro. Este vídeo mostra carros arrastados pela enxurrada. 

Forte enxurrada em Iconha(ES)

(18/01)15:05 – Muita chuva nas últimas horas desta Sexta-feira(17) no Espírito Santo, principalmente na metade Sul do Estado. Algumas regiões já registraram mais de 260mm.Via Whatsapp

Publicado por Informações Meteorológicas/Garcia/Blumenau em Sábado, 18 de janeiro de 2020

A publicação falsa no Facebook também inclui uma foto de Campina Grande. A imagem foi publicada no portal G1 no dia 22 de janeiro.

De acordo com o G1, uma forte chuva atingiu Caruaru na tarde da terça-feira, 21, deixando ruas alagadas. A Agência Pernambucana de Águas e Clima registrou 51 milímetros de chuva. 

As chuvas no Sudeste foram bem mais intensas. O Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) registrou 210 milímetros de chuva na região de Iconha no dia 18. Na Estação Meteorológica de Belo Horizonte, foram 809,7 milímetros entre 1º e 27 de janeiro — o maior índice desde 1910, o início da série histórica. 

Desde a segunda quinzena de janeiro, Minas teve 53 mortes por chuvas em 17 municípios. Quase 46 mil estão desabrigados ou desalojados. No Espírito Santo, nove pessoas morreram e mais de 8,9 mil ficaram desabrigados ou desalojados

Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.