Tuíte engana ao dizer que vacina da Pfizer tem ‘partículas contaminantes’

Tuíte engana ao dizer que vacina da Pfizer tem ‘partículas contaminantes’

Pfizer, Anvisa e especialistas ouvidos pela reportagem afirmam que imunizantes passam por processos rigorosos antes da liberação

Projeto Comprova

16 de outubro de 2021 | 10h33

Esta checagem foi produzida por jornalistas da coalizão do Comprova. Leia mais sobre nossa parceria aqui.

  • Conteúdo verificado: A tradução de uma sequência de tuítes feita por uma conta que seria de um médico norte-americano publicada no grupo Médicos Pela Vida no Telegram. As imagens postadas falam de partículas presentes na vacina da Pfizer e termina afirmando que podem ser “contaminantes”. Nos comentários, os leitores do grupo de Telegram se perguntam se as imagens comprovariam teorias segundo as quais as vacinas têm como objetivo acabar com a humanidade.

Um grupo do Telegram voltado a pessoas contrárias à vacinação republicou uma sequência de tuítes feita por um suposto médico norte-americano.

A publicação enganosa diz que há micropartículas contaminantes dentro de imunizante desenvolvido pela Pfizer contra a covid-19 e gerou especulações de internautas sobre as vacinas serem criadas para prejudicar a humanidade.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a Pfizer e um cientista consultado pela reportagem apontam que as informações checadas não procedem, uma vez que as vacinas passam por três etapas de testagem, que avaliam a pureza, a eficácia e a segurança delas. O órgão de vigilância sanitária afirmou ainda que, na análise do imunizante, não constatou nenhum resíduo com potencial de impacto tóxico ou genético.

O Comprova tentou contatar o autor da postagem, mas as redes sociais do suposto médico John B. não permitem o envio de mensagens. A reportagem também não localizou qualquer indício de que o perfil seja, de fato, de um especialista norte-americano e a origem real das amostras que são apresentadas como sendo da vacina da Pfizer.

Enganoso, para o Comprova, é todo conteúdo retirado do contexto original e usado em outro, de modo que seu significado sofra alterações.

Como verificamos?

Foram realizadas buscas na internet para conseguir mais informações sobre quem é o suposto médico norte-americano John B. O primeiro resultado que aparece redireciona a busca para o Twitter do perfil que compartilhou as informações com críticas à composição da vacina desenvolvida pela Pfizer.

Com a falta de resultados capazes de mostrar a formação e mais detalhes sobre a carreira e pesquisa de John B., a reportagem realizou uma busca reversa da imagem do perfil no Twitter para localizar outras redes sociais do suposto médico, mas também não encontrou registros além da conta do Twitter e do Telegram — que também não traz detalhes.

Pela falta de registros, a reportagem suspeitou que o perfil pudesse ser falso. Utilizamos duas ferramentas de checagem para nos aproximarmos de respostas sobre quem estaria por trás do gerenciamento da conta: o Pegabot e o Botometer. Ambos foram desenvolvidos para identificar contas automatizadas no Twitter, também conhecidas como ‘bots’, ou ‘robôs’.

As plataformas indicaram que há mais de 51% de chance do Twitter ser gerido por um terceiro, que não seria médico, tampouco cientista.

O Comprova tentou contactar o suposto médico via Twitter, mas o perfil de Dr. John B. recusa automaticamente o recebimento de mensagens.

Junto à Pfizer, o Comprova quis saber se as imagens analisadas em microscópio eram verdadeiras. Também contactamos a Anvisa para identificar se havia algum registro de denúncia ou pesquisa capaz de colocar em dúvida a pureza do imunizante ComiRNAty — nome que a Pfizer deu à vacina contra a covid-19.

Também consultamos o site da OMS (Organização Mundial da Saúde) para levantar informações oficiais sobre os processos de aprovação e produção de vacinas, além de consultar o virologista e professor da UnB (Universidade de Brasília) Bergmann Ribeiro para conferir a veracidade das imagens.

O Comprova fez esta verificação baseado em informações científicas e dados oficiais sobre o novo coronavírus e a covid-19 disponíveis no dia 15 de outubro de 2021.

Verificação

Quem é o John B.?

A reportagem buscou informações sobre quem é o doutor John B. na internet. O primeiro resultado que aparece redireciona a busca para o Twitter do perfil que compartilhou as informações sobre supostas micropartículas contaminantes presentes na vacina da Pfizer.

Por meio de uma busca reversa da imagem do perfil de John B., o Comprova tentou localizar outras redes sociais do suposto médico, mas também não encontrou registros além da conta do Twitter.

O nome, muito comum nos Estados Unidos, indica para o perfil de diversos médicos, mas nenhum parecido com o que aparece na foto do Twitter.

A reportagem suspeitou que o perfil fosse falso, considerando que a mesma foto parece ter sido retirada de um banco de imagens. Esses bancos produzem fotografias produzidas, com cenários genéricos, que podem ser utilizadas para ilustrar conteúdos diversos. O padrão de imagens presente nesses sites se aproxima da foto utilizada no perfil de John B.

Outro elemento suspeito é o número expressivo de seguidores — mais de 31 mil até 6 de outubro de 2021 — em apenas quatro meses de criação do perfil, que, segundo o Twitter, foi criado em junho de 2021.

Então, a reportagem partiu para uma segunda análise na tentativa de descobrir quem são alguns dos seguidores do doutor John B.. De forma aleatória, entrou em alguns dos perfis e descobriu que, coincidentemente, também eram contas recentes e com conteúdos contrários à vacina.

Checagem do perfil

Para verificar se o perfil era ou não falso, utilizamos duas ferramentas de checagem: o Pegabot e o Botometer. Ambos foram desenvolvidos para identificar contas automatizadas no Twitter, também conhecidas como “bots”, ou robôs.

Segundo o Pegabot, há 51% de chances de o perfil de John B. ser gerido por alguém que se passa por um médico capaz de analisar imunizantes em nível microscópico. Pelas métricas apresentadas pela plataforma, há grandes chances de o perfil ser fake — falso, em português. O termo é usado para denominar contas ou perfis usados na Internet com o intuito de ocultar a identidade real de um usuário.

A métrica do Botometer calcula as chances de perfis serem verdadeiros ou falsos em uma escala de 0 a 5, sendo 5 a maior chance de ser falso e 0 a menor probabilidade. Ao checarmos o perfil do suposto médico, a plataforma apontou uma nota de 4.2. De acordo com a base de dados do Botometer, apenas 17% das contas com uma pontuação similar eram gerenciadas por humanos, enquanto outros 83% eram, de fato, perfis automatizados.

O Comprova tentou contactar o suposto médico via Twitter, mas o perfil de Dr. John B. recusa automaticamente o recebimento de mensagens.

Uma segunda busca foi feita pela reportagem via Telegram, no entanto, o grupo em que a mensagem verificada aqui circulou não redireciona o contato para o criador do conteúdo. Também procuramos o perfil dele no Instagram, mas não encontramos.

Por esse motivo, a reportagem não conseguiu acioná-lo para questionar o levantamento que ele diz ter realizado sobre a composição da vacina da Pfizer.

O que dizem a Anvisa e a Pfizer

O Comprova quis saber, então, se as supostas imagens da análise microscópica do imunizante da Pfizer eram verdadeiras. A empresa diz desconhecer a análise em questão e reafirma “que seu processo de fabricação respeita regras rigorosas de vigilância sanitária, para garantir a pureza e a segurança do imunizante”.

A Pfizer esclarece que todas as etapas de fabricação do imunizante, “incluindo análise de qualidade do produto, são minuciosamente avaliadas pelas agências regulatórias em todo mundo por ocasião de aprovação de uso e seguem processos contínuos de inspeção e análise por esses órgãos de acordo com a legislação vigente. A Pfizer dedica seus maiores esforços na vigilância da qualidade, segurança e eficácia dos insumos e produtos que fabrica e comercializa, disponibilizando seus produtos de forma segura e responsável ao mercado, em conformidade com as mais rigorosas normas de qualidade e segurança.”

E, por fim, a farmacêutica compartilhou o link da bula da vacina destacando que todas as informações, inclusive a sua composição, estão disponíveis ao público.

Documento

Nossa equipe também questionou a Anvisa se havia denúncia ou pesquisa que colocassem em dúvida a pureza do imunizante ComiRNAty. Por e-mail, a autarquia informou que os estudos de biodistribuição avaliados durante o registro do produto “não indicaram qualquer resíduo com potencial de impacto tóxico ou genético para as células do corpo humano”.

Segundo a agência, um ponto central na análise de todas as vacinas em uso no Brasil são os critérios de pureza e esterilidade nos ambientes de produção dos imunizantes. “A Anvisa mantém as indicações aprovadas para a vacina e não há dados que indiquem alteração no perfil de benefício-risco.”

Produção e aprovação de vacinas pela OMS

A aprovação de uma vacina pelo órgão conta com três fases de ensaios clínicos. Além disso, os imunizantes são avaliados para que sua segurança e eficácia sejam comprovados.

Essa aprovação regulatória precede o envio do imunizante pelos fabricantes à OMS. Com a entrega desse material ao órgão de saúde, um novo processo de avaliação é feito com ajuda da ONU (Organização das Nações Unidas) e de outras entidades internacionais para garantir a qualidade da vacina.

No site da OMS, a entidade explica que o controle de qualidade monitora de forma constante as vacinas e estabelece a gravidade de qualquer efeito colateral adverso e resposta das pessoas imunizadas.

Não existe um tempo mínimo determinado para o desenvolvimento de vacinas e a duração desse processo depende de uma série de variáveis, que incluem o processo, do teste pré-clínico à fabricação. Em casos de maior impacto para a saúde global, como o que ocorreu durante a pandemia em 2020, um procedimento legal permite que vacinas sejam aprovadas para uso emergencial, respeitando critérios de segurança e eficácia. A agilidade que acelerou o processo de fabricação das vacinas ocorreu porque entidades públicas e privadas uniram recursos financeiros e tecnológicos para combater a covid-19.

A organização afirma, ainda, que os estudos são realizados de forma frequente para determinar por quanto tempo a imunização será estabelecida pela vacina.

Bergmann Ribeiro, virologista e professor da Universidade de Brasília (UnB) classificou a divulgação das imagens como “absurdas” porque não dá para saber como foram feitas e se realmente usaram um frasco da vacina da Pfizer.

Segundo ele, qualquer remédio, antes de ser aprovado para uso, passa por testes rigorosos de qualidade e as agências de controle só aprovam após analisar e constatar que o conteúdo do frasco é o mesmo descrito na bula.

O especialista explica que o imunizante da Pfizer é composto por ácido nucleico (informação genética do coronavírus para produzir uma proteína chamada espícula), lipídios (que formam uma proteção para quando RNA-mensageiro for injetado nas pessoas), colesterol, fosfolipídio, sacarose, cloreto de sódio, cloreto de potássio, fosfato de sódio, por exemplo.

“Como se vê, são vários sais e, se eles forem ressecados, produzem cristais de diferentes tamanhos. Essas moléculas, num processo de precipitação, podem formar um cristalzinho. Nem por isso significa que o cristal é impureza. É um absurdo espalhar esse tipo de informação”, alerta Bergmann Ribeiro.

Por que investigamos?

Em sua quarta fase, o Comprova verifica conteúdos suspeitos sobre pandemia, políticas públicas do governo federal e eleições. O conteúdo verificado aqui teve mais de 37 mil visualizações no Telegram, com 149 comentários que, em sua maioria, falam sobre teorias conspiratórias a respeito de um “great reset” — grande reinicialização, em português — envolvendo a vacina contra a covid-19, o que não procede.

O impacto gerado por esse conteúdo enganoso é observado a partir desses comentários. Um deles é a desinformação e o outro é a aversão aos imunizantes, ainda que sejam comprovadamente seguros e eficazes em salvar vidas ao redor do mundo.

Além disso, o Comprova decidiu investigar o material por conta da fonte de difusão desses dados, que seria um suposto médico norte-americano. A reportagem tentou localizá-lo, mas não há indícios de que realmente seja um médico por trás do gerenciamento da conta que difundiu as informações.

Outras checagens verificaram conteúdos semelhantes, como a agência Aos Fatos, que desmentiu um estudo japonês que havia “encontrado’ nanopartículas de mRNA em pessoas vacinadas com a Pfizer. A BBC também produziu uma matéria que traz esclarecimentos sobre os boatos de DNA alterado, microchips e supostos efeitos colaterais das vacinas.

Enganoso para o Comprova é todo conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações. Também se encaixa nessa categoria a publicação que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor; conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.