PF não tem inquérito para apurar mortes pela covid-19
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

PF não tem inquérito para apurar mortes pela covid-19

Postagem no Facebook afirma que número de mortes pelo novo coronavírus caiu desde abertura de investigação, o que não é verdade

Pedro Prata

14 de abril de 2020 | 16h56

A Polícia Federal não divulgou, até o momento, a existência de um inquérito para apurar mortes por covid-19, a doença provocada pelo novo coronavírus. Uma postagem no Facebook afirma que os números de mortos diminuíram desde que a PF abriu uma investigação, mas a informação não é verdadeira.

Por meio de nota, o Ministério da Justiça e Segurança Pública afirmou que “qualquer informação que circule nas redes sociais em nome da Polícia Federal que não tenha partido de nossos canais oficiais é de total responsabilidade de quem a divulgou”.

Tampouco é verdadeira a informação de que o número de mortos pela covid-19 tenha caído. Desde o dia 17 de março, quando foi registrada oficialmente a primeira morte pelo novo coronavírus, o número de óbitos confirmados por dia aumentou significativamente. O pico de mortes em um único dia ocorreu em 9 de abril, quando foram confirmados 141 casos.  Nos dias 10 e 11, a contagem de mortes diárias teve uma redução (115 e 86 em cada dia). Porém, a cifra diária voltou a subir no dia 12, quando foram confirmadas 99 óbitos pela covid-19, e no dia 13, 105.

Nesta terça-feira, 14, o Brasil bateu recorde com 204 mortes nas 24h anteriores.

Até a publicação desta checagem, o número era de 1.532 mortos, segundo os dados do Ministério da Saúde. Em abril, o aumento no número de óbitos foi de 662%.

Em abril, o aumento no número de mortes pelo novo coronavírus foi de 662%. Foto: CDC/Divulgação

Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

Tudo o que sabemos sobre:

polícia federalcoronavírusfacebook

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.