Vídeo engana ao dizer que pesquisas foram forjadas na eleição de Bolsonaro em 2018

Vídeo engana ao dizer que pesquisas foram forjadas na eleição de Bolsonaro em 2018

Boato tira programas do 'Jornal Nacional' de contexto e não mostra a íntegra e a sequência dos levantamentos

Projeto Comprova

30 de março de 2022 | 10h26

Esta checagem foi produzida por jornalistas da coalizão do Comprova. Leia mais sobre nossa parceria aqui.

Conteúdo investigado: Vídeo publicado nas plataformas TikTok e Facebook contém trechos selecionados e editados que mostram o presidente Jair Bolsonaro (PL) atrás nas pesquisas eleitorais de 2018, dando a impressão que os levantamentos erraram na projeção do resultado final do pleito.

Onde foi publicado: TikTok e Facebook.

Conclusão do Comprova: Ao contrário do que afirma um vídeo que circula nas redes sociais, as principais pesquisas eleitorais de 2018 acertaram nos prognósticos sobre as eleições presidenciais. Ao longo daquele ano, levantamentos feitos por institutos como Ibope e Datafolha mostraram o aumento da intenção de voto em Jair Bolsonaro (então PSL) e, nas últimas pesquisas antes do primeiro e do segundo turnos, divulgaram resultados próximos dos verificados na votação final.

O conteúdo investigado aqui é uma montagem com trechos de telejornais que omite a existência de certas pesquisas, fazendo com que o leitor seja induzido a acreditar que os institutos erraram nas previsões do resultado final da eleição. Nos minutos finais, o vídeo em questão mostra as pesquisas feitas em 2022, que mostram Bolsonaro atrás do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), em uma tentativa de deslegitimar os levantamentos deste ano.

O Comprova classifica como enganosos conteúdos que retiram informações de seu contexto original e omitem informações, de forma deliberada ou não, para provocar uma interpretação que difere da realidade dos fatos.

O que diz o autor da publicação: O Comprova solicitou esclarecimentos ao perfil que publicou o vídeo no Facebook, mas não obteve resposta até a publicação desta verificação. Não foi possível entrar em contato com a conta responsável pela divulgação do conteúdo no TikTok. A busca pelo nome do canal em outras redes sociais não alcançou resultado.

Como verificamos: Por se tratar de uma montagem, a primeira etapa da verificação foi destrinchar o vídeo a fim de identificar as pesquisas abordadas na gravação. Em seguida, a equipe comparou os dados exibidos pelo vídeo com os números reais obtidos pelas amostras em relação às eleições presidenciais de 2018.

O Comprova também buscou todas as pesquisas realizadas pelo Datafolha e pelo Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (Ibope), que deixou de existir em janeiro de 2021, até a concretização do segundo turno, com o objetivo de verificar se as previsões das pesquisas ficaram próximas ao resultado da eleição.

Por fim, a equipe procurou o perfil que publicou o vídeo no Facebook, que se identifica como Edna M de Queiroz. Não foi possível entrar em contato com o canal que divulgou o conteúdo no TikTok pois a plataforma não oferece opção para iniciar uma conversa.

O vídeo

O vídeo investigado aqui é uma montagem que intercala trechos de reportagens sobre as pesquisas eleitorais realizadas em 2018 e 2021 com imagens do presidente Jair Bolsonaro dando risadas.

Com cerca de três minutos de duração, o material pode ser dividido em quatro principais partes: a primeira e a segunda são referentes a reportagens que mostram pesquisas do Datafolha e do Ibope, respectivamente, apresentando uma simulação do resultado do segundo turno das eleições presidenciais de 2018.

O terceiro segmento é uma edição de falas do apresentador do Jornal Nacional William Bonner que induz o telespectador a acreditar que o jornalista teria chorado ao anunciar a vitória de Bolsonaro. O trecho, na verdade, é de uma reportagem do Jornal Nacional de 7 de agosto de 2003 sobre a morte do fundador da Globo, Roberto Marinho.

À esquerda, imagem da reportagem original de 7 de agosto de 2003, em que Bonner lamenta a morte de Roberto Marinho. À direita, imagem editada utilizada pelo vídeo verificado pelo Comprova

Em seguida, o vídeo segue mostrando a imagem da reportagem de 2003 sobre a morte de Marinho, mas com a narração de Bonner em uma matéria do Jornal Nacional do dia 28 de outubro de 2018, anunciando que Bolsonaro seria o próximo presidente do Brasil.

Por fim, a quarta parte do vídeo reproduz uma reportagem sobre uma pesquisa realizada pelo Ipec, em 2021, que mostra que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) venceria a disputa pela presidência no primeiro turno das eleições deste ano.

As pesquisas de 2018

No total, o vídeo exibe três pesquisas eleitorais. Duas delas são referentes ao processo eleitoral de 2018, enquanto a terceira, realizada em 2021, analisa o cenário das eleições presidenciais deste ano.

A primeira é uma pesquisa do Datafolha divulgada no dia 10 de setembro de 2018, que foi realizada com 2.804 eleitores em 197 municípios do Brasil. A margem de erro para o total da amostra era de 2 pontos percentuais para mais ou para menos.

Apesar de exibir os números corretos, o conteúdo verificado pelo Comprova não reproduz a pesquisa completa ao telespectador, mostrando apenas o trecho que trata do resultado da simulação do segundo turno. Entre as combinações feitas pelo instituto, Bolsonaro perdia em todos os possíveis cenários de segundo turno.

No entanto, além desses dados, a pesquisa analisou a intenção de voto dos eleitores e a rejeição dos candidatos. Como primeira opção de escolha, oscilando de 22% em agosto para 24% em setembro, estava Bolsonaro. Ciro Gomes (PDT) aparecia em segundo lugar (saiu de 10% para 13%) e Marina Silva (Rede) em terceiro (caiu de 16% para 11%). Fernando Haddad (PT) cresceu de 4% para 9% das intenções de voto.

Isso significa que Bolsonaro estava na liderança, com o dobro de intenções de voto do adversário mais próximo, e seus quatro principais concorrentes empatados na disputa pelo 2º lugar.

A segunda pesquisa foi realizada pelo Ibope entre os dias 22 e 23 de setembro de 2018, ouvindo 2.506 pessoas, em 178 municípios. O nível de confiança da pesquisa foi de 95% e a margem de erro era de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos. Assim como na primeira amostra, o vídeo também oculta parte do estudo do Ibope, expondo apenas a simulação do segundo turno.

De acordo com a pesquisa, embora Bolsonaro perdesse para Ciro, Haddad e Geraldo Alckmin (PSDB) e empatasse com Marina Silva na simulação do segundo turno, o presidente estava em primeiro lugar no ranking de intenção de voto (28%), seguido por Haddad (22%) e Ciro Gomes (11%). O Ibope também analisou a rejeição dos candidatos, mostrando que 46% da população não votaria de jeito nenhum em Bolsonaro e 30% não escolheria Haddad para a presidência.

Este cenário era válido para aquele momento e sofreu alterações em favor de Bolsonaro, como demonstraram os institutos de pesquisa ao longo das semanas seguintes (ver abaixo).

Pesquisas acertaram nas previsões dos dois turnos

Conforme apontou o Datafolha, Bolsonaro se manteve em primeiro lugar no ranking das intenções de voto no primeiro turno desde a prisão de Lula, em maio de 2018, episódio que anulou a candidatura do petista.

Em 17 de setembro de 2018, Bolsonaro contava com 26% das intenções de voto, enquanto Ciro e Haddad, na época candidato a vice-presidente pelo PT e possível substituto de Lula na chapa, empatavam com 13%. No dia 3 de outubro, Bolsonaro liderava com 32%, enquanto no dia 6, véspera do primeiro turno, chegou a 40% das intenções de voto. Haddad aparecia em segundo lugar com 25% dos votos válidos.

O primeiro turno, que ocorreu em 7 de outubro de 2018, terminou com Bolsonaro com 46,03% dos votos, o que equivale a 49.276.990 dos 107.050.673 votos válidos no país, e Haddad com 29,28%.

Print de arquivo do portal Folha de São Paulo sobre intenção de voto no primeiro turno prevista pelo Datafolha de 10 de setembro de 2018 a 6 de outubro de 2018.

Em 11 de outubro de 2018, quatros dias depois do primeiro turno, o levantamento do Datafolha mostrou que Jair Bolsonaro largava com ampla vantagem para o segundo turno da disputa, computando 58% dos votos válidos, contra 42% de Fernando Haddad.

Em 26 de outubro, dois dias antes da realização do segundo turno, Bolsonaro contabilizava 56% dos votos válidos contra 44% de Haddad. A última pesquisa do Datafolha afirmou que Bolsonaro chegava à véspera da eleição com 55% dos votos válidos, com vantagem de 10 pontos percentuais sobre Fernando Haddad, que tinha 45%.

resultado do segundo turno, em 28 de outubro, mostrou que Bolsonaro foi eleito presidente com 55,13% dos votos, o que equivale a 57.797.847 dos 104.838.753 votos válidos no país. Haddad ficou em segundo lugar, com 44,87% dos votos.

Print de arquivo do portal Folha de São Paulo sobre intenção de voto no segundo turno prevista pelo Datafolha nos dias 10, 17, 18, 24 e 25 de outubro de 2018.

Conforme divulgado pelo portal G1 no dia 1º de outubro de 2018, as pesquisas realizadas pelo Ibope obtiveram um resultado semelhante às feitas pelo Datafolha. Jair Bolsonaro se manteve em primeiro lugar no ranking de intenção de voto desde o início dos levantamentos, em agosto de 2018, até o resultado final do pleito.

O levantamento mostra que entre 20 de agosto e 1º de outubro de 2018, a intenção de voto em Bolsonaro variou de 20% para 31%, enquanto Haddad oscilou de 4% para 21%, e Ciro Gomes de 9% para 11%. Esses dados se referem ao primeiro turno da eleição presidencial.

Em relação ao segundo turno, de acordo com a pesquisa do Ibope divulgada em 27 de outubro, a intenção de voto em Bolsonaro variou de 52% em 15 de outubro para 47% no dia 27. Haddad foi de 37% para 41% no mesmo período.

Dessa forma, ao omitir dados das pesquisas exibidas e não incluir no vídeo as pesquisas posteriores que mostraram o avanço de Bolsonaro, o vídeo investigado se constituiu como um conteúdo enganoso.

Levantamentos sobre o cenário eleitoral de 2022

terceira pesquisa que aparece no vídeo investigado, ao contrário das anteriores, é referente ao cenário eleitoral de 2022, não de 2018. Ela foi realizada pelo Ipec entre 17 e 21 de junho de 2021 e ouviu 2.002 pessoas em 141 municípios. A margem de erro é de 2 pontos para mais e para menos, e o nível de confiança é de 95%.

Conforme o levantamento, que levou em consideração cinco pré-candidatos – Lula, Bolsonaro, Ciro Gomes, João Doria (PSDB) e Luiz Henrique Mandetta (DEM) – Lula venceria a eleição para a presidência no primeiro turno se a disputa ocorresse no dia 25 de junho de 2021, quando a pesquisa foi divulgada. Naquele dia, o ex-presidente tinha 49% das intenções de voto, enquanto Bolsonaro contabilizava 23% e Ciro Gomes, 7%.

último estudo divulgado pelo instituto foi realizado entre os dias 9 e 13 de dezembro de 2021, com 2.002 eleitores, em 144 municípios brasileiros. Conforme a pesquisa, Lula ainda aparece à frente com 48% das intenções de voto, seguido por Bolsonaro, com 21%. Sergio Moro (Podemos) é apontado por 6% dos eleitores, Ciro Gomes por 5%, enquanto João Doria por 2%.

O Ipec, no entanto, alerta que os dados do recente levantamento não podem ser comparados com pesquisas anteriores em razão da mudança dos nomes dos pré-candidatos analisados.

Print da pesquisa realizada pelo Ipec em dezembro de 2021 sobre a sucessão presidencial deste ano.

A pesquisa também analisou a intenção de voto dos eleitores por segmento, intenção de voto espontânea (sem a apresentação dos nomes dos candidatos), taxa de rejeição dos políticos e a avaliação da gestão do governo Bolsonaro.

Por que investigamos: O Comprova investiga conteúdos suspeitos que tenham viralizado nas redes sociais sobre a pandemia de covid-19, políticas públicas do governo federal e eleições presidenciais. Pesquisas eleitorais podem influenciar a decisão de voto dos eleitores em determinado candidato. Desmentir conteúdos enganosos ou falsos sobre esses estudos é fundamental pois, do contrário, eles podem espalhar desinformação e descredibilizar o processo eleitoral, o que é prejudicial à democracia.

Alcance da publicação: Até o dia 29 de março, a publicação do TikTok alcançou mais de 88 mil visualizações e 14 mil interações, entre curtidas, comentários e compartilhamentos. No Facebook, a postagem teve 241 interações.

Outras checagens sobre o tema: Em verificações anteriores, o Comprova mostrou que é falso que apresentador americano tenha rido de pesquisa eleitoral do Brasil e que site omitiu que pesquisa com vantagem para Bolsonaro foi feita apenas em Santa Catarina. Além disso, em um material didático, o Comprova explicou que pesquisas eleitorais seguem métodos científicos, ao contrário de enquetes nas redes sociais.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.