Parceria para vacina contra a covid-19 não foi firmada por Doria no ano passado
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Parceria para vacina contra a covid-19 não foi firmada por Doria no ano passado

Vídeo distorce declarações do governador de São Paulo em entrevista; acordo entre Instituto Butantan e laboratório chinês Sinovac Biotech foi assinado em 10 de junho de 2020

Projeto Comprova

18 de junho de 2020 | 12h52

Esta checagem foi produzida pela coalizão do Comprova. Leia mais aqui

  • Conteúdo verificado: Vídeo publicado no YouTube no dia 12 de junho com o título “Dória negociou vacina chinesa antes do vírus chegar ao Brasil”.

Vídeo postado no YouTube distorce declarações do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), ao apontar que ele teria negociado vacina contra o novo coronavírus antes do início da pandemia.

Segundo o vídeo, Doria teria “confessado” que o acordo entre o Instituto Butantan e o laboratório chinês Sinovac Biotech para testes na produção de vacina contra a covid-19, anunciado na semana passada, começou a ser discutido em agosto de 2019, quando ainda não havia registro da doença. Os primeiros casos do novo coronavírus na China foram registrados em dezembro. Na legenda, o perfil afirma que “essa é mais uma prova de que tudo foi orquestrado”.

No entanto, a análise do conteúdo original mostra que, em nenhum momento, Doria afirmou que a assinatura do acordo ocorreu no ano passado. O governador fez apenas uma referência à Missão China, não relacionada à pandemia da covid-19, realizada em agosto, quando uma comitiva do Instituto Butantan visitou a sede da Sinovac, entre outros compromissos.

Vídeo falso no YouTube acusa o governador de São Paulo, João Doria, de negociar vacina meses antes do primeiro caso de covid-19. Foto: Reprodução / Arte Comprova

Como verificamos?

O Comprova buscou as declarações originais de João Doria e encontrou o conteúdo publicado na página do governo do Estado de São Paulo no YouTube. A transmissão foi feita ao vivo, no dia 11 de junho de 2020, e mostra entrevista de autoridades a jornalistas. Os trechos podem ser vistos a partir de 10 minutos e 30 segundos de vídeo.

A reportagem entrou em contato com o Instituto Butantan e o governo de São Paulo para entender a relação entre o contrato de parceria para testes da vacina com a Sinovac e a missão empresarial paulista à China em agosto de 2019.

O governo de São Paulo e o instituto de pesquisa afirmaram que a assinatura do contrato foi feita em 10 de junho de 2020, um dia antes da coletiva. O Butantan também informou que as tratativas sobre o desenvolvimento da vacina contra a covid-19 começaram somente em abril deste ano. No entanto, o acesso ao documento foi declinado por “questões de compliance”.

Ao buscar o termo “Sinovac” no Diário Oficial do Estado de São Paulo, a reportagem encontrou apenas a publicação de um acordo de confidencialidade entre o laboratório e a Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), assinado em 12 de maio de 2020 e publicado no DO em 5 de junho. Questionada, a instituição de ensino disse que o acordo serviu para dar início a conversas sobre uma eventual participação no estudo, mas que ainda não há nada oficial a respeito.

O Comprova consultou documentos públicos e reportagens para entender a agenda e o contexto da visita empresarial à China em agosto de 2019. Também pesquisou o histórico do laboratório chinês Sinovac e o atual cenário do desenvolvimento de vacinas contra o novo coronavírus, por meio de notícias, publicações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e outras fontes confiáveis.

Por fim, a Sinovac foi contatada por e-mail na segunda-feira, 15, mas não retornou até o fechamento da verificação.

Verificação

O governador de São Paulo, João Doria, anunciou a parceria entre o Instituto Butantan e a empresa chinesa Sinovac para testes de vacina contra o novo coronavírus no Brasil em entrevista a jornalistas no dia 11 de junho. “Eu, ontem (10 de junho), fui ao Instituto Butantan pessoalmente e, ao lado do doutor Dimas Covas (diretor do Instituto Butantan), assinei o contrato formalizando o acordo com a Sinovac Biotech”, afirmou em evento transmitido ao vivo no canal do governo estadual no YouTube.

A seguir, o governador paulista afirma que mais de 100 vacinas estavam em desenvolvimento no mundo naquela data, mas apenas 10 atingiram a etapa de testes em humanos, de acordo com a Organização Mundial da Saúde. De fato, publicação no site oficial da OMS, de 9 de junho, aponta que existiam 136 projetos de vacina contra a covid-19 em desenvolvimento e que 11 obtiveram sucesso nos testes pré-clínicos e avançaram a etapa.

Um desses projetos é a CoronaVac, liderada pela Sinovac Biotech. A vacina obteve sucesso em estudo com macacos, publicado na revista Science, e já foi testada em 743 pessoas na China. Segundo o laboratório, “mais de 90% dos voluntários desenvolveram anticorpos, sem a incidência de efeitos colaterais graves”, reporta a Bloomberg. Agora, o estudo ingressará na fase três, que envolve amostragens populacionais maiores — nesse caso, 9 mil brasileiros, no próximo mês. A estimativa do governo estadual é de que a vacina seja produzida em larga escala e distribuída pelo Sistema Único de Saúde (SUS) até junho de 2021, caso demonstre eficácia.

Depois de anunciar detalhes da parceria, Doria argumenta que ela foi possível em razão do “apoio e investimento do governo de São Paulo em ciência e tecnologia e também na cooperação internacional e na boa relação com as nações”. É nesse contexto, omitido pelo vídeo falso, que ele declara que o acordo assinado com a Sinovac teve início em agosto de 2019, quando visitou a China. O trecho pode ser visto a partir de 14 minutos de gravação.

Na mesma apresentação, o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, perguntado sobre a escolha do laboratório entre os projetos em desenvolvimento no mundo, afirma: “Essa parceria com a China, ela já é de longa data, como mencionei, foi fruto dessa visita que nós fizemos à China, nós pessoalmente fomos conhecer a Sinovac. A Sinovac tem interesses, é uma empresa privada, ela tem interesse no codesenvolvimento de outras vacinas com o Butantan, então é uma parceria já estabelecida”. A explicação dada para o acordo com a empresa chinesa foi o estágio de desenvolvimento da vacina e as características de produção, que exigiriam técnicas já executadas pelo Butantan para fornecer vacinas contra a dengue, por exemplo.

Com sede em Pequim, a Sinovac foi responsável pelo desenvolvimento da primeira vacina no mundo contra a H1N1, em 2009.

Estado de São Paulo passou a marca de 150 mil casos nesta terça, 9. Foto: Governo de São Paulo/Divulgação

Visita à China

Em agosto de 2019, uma comitiva de empresários e representantes do governo paulista — incluindo o governador João Doria — esteve na China para a inauguração de um escritório comercial de São Paulo em Xangai; a gestão buscava investimentos externos no Estado. Na ocasião, Doria declarou que a viagem se tratava de uma “oportunidade para o Brasil” e chegou a dizer que o País deveria se aproveitar da guerra comercial travada entre a China e os Estados Unidos para abocanhar novos acordos.

Após questionamentos do Comprova, o governo de São Paulo e o Instituto Butantan, em nota conjunta enviada por e-mail, negaram que o governador paulista tenha afirmado que o acordo foi assinado em agosto de 2019. O texto acrescenta que a parceria para a produção de vacinas contra o novo coronavírus só foi firmada em junho deste ano.

Questionada pelo Comprova se Doria teria visitado a Sinovac em algum momento da viagem, a assessoria de imprensa do governo de São Paulo enviou os links de todas as agendas oficiais do governador durante a Missão China para a reportagem “conferir que não houve nenhum compromisso na referida empresa”. As agendas datam dos dias 56789 10 de agosto de 2019. Conferimos todas elas e, de fato, não há nenhum registro de visitas à sede da Sinovac.

Já a assessoria do Instituto Butantan afirmou, por telefone, que houve uma visita institucional de sua equipe à sede da Sinovac em agosto do ano passado. No entanto, o governador João Doria não estava presente. Por mensagem, a comunicação reforçou que as tratativas para o desenvolvimento da vacina só tiveram início em abril deste ano, diante da aceleração do aumento de casos do novo coronavírus em São Paulo.

Assinatura do contrato

Durante o anúncio da parceria, Doria e Dimas Covas disseram que o contrato entre governo, Instituto Butantan e a Sinovac havia sido assinado em 10 de junho — informação confirmada ao Comprova tanto pela instituição quanto pelo governo.

Em uma busca pelo Diário Oficial do Estado de São Paulo para saber se o governo já havia negociado com a farmacêutica chinesa antes de firmar o convênio, o Comprova encontrou na edição de 5 de junho de 2020 um acordo de confidencialidade entre a Sinovac Research & Development (conhecida como “Sinovac R&D”) e a Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) — assinado em 12 de maio.

A Sinovac R&D é uma subsidiária da Sinovac Biotech voltada exclusivamente para a produção da vacina CoronaVac e recebeu US$ 15 milhões de financiamento em pesquisas sobre o novo coronavírus.

Embora vizinho da USP e parceiro em pesquisas, o Instituto Butantan não é subordinado à universidade. O Butantan é reconhecido desde 1901 como instituição autônoma.

O Comprova procurou a assessoria da Faculdade de Medicina da USP para saber qual seria o acordo com a farmacêutica chinesa e se teria relação com o desenvolvimento da vacina para o novo coronavírus pelo Butantan. Por mensagem, a comunicação afirmou que a assinatura foi para discutir uma possível participação da universidade nas pesquisas, mas que o processo ainda segue na fase de tratativas e, portanto, não há nada oficial até o momento.

Por que investigamos?

O Comprova investiga conteúdos que apresentam informações suspeitas sobre a pandemia do novo coronavírus e alcançam um grande número de pessoas nas redes sociais. É o caso do vídeo em questão. Até a data de publicação da verificação, o vídeo do canal registrava 163 mil visualizações no YouTube. O conteúdo também teve mais de 359 mil interações no Facebook, incluindo 80,7 mil compartilhamentos.

Informações falsas ou enganosas na internet podem fazer com que parte da população fique mais exposta a riscos de contaminação e a sofrer graves consequências em termos de saúde.

O conteúdo investigado é perigoso porque sugere que a covid-19 é uma manipulação política e lança dúvidas sobre uma ferramenta que pode ser útil no combate ao novo coronavírus, caso a vacina demonstre eficácia nos estudos científicos.

Conteúdos que contestam a existência do vírus e o propósito de seguir orientações de isolamento social — conforme recomendado pela Organização Mundial de Saúde —, vêm sendo replicados em sites e redes sociais. O Comprova já checou um vídeo alegando que a pandemia se tratava de uma farsa.

Outro boato alegava que o vencedor do Nobel de Medicina teria dito que o novo coronavírus foi desenvolvido em laboratório — fala desmentida pelo próprio médico. Um estudo publicado em 17 de março pelo conceituado periódico médico Nature Medicine analisou o genoma do vírus SARS-CoV-2, que provoca a covid-19, e concluiu “claramente que o SARS-CoV-2 não é uma construção de laboratório ou um vírus propositadamente manipulado.” Outro vídeo que circulava em redes sociais acusava os hospitais de “provocar a morte” de pacientes com outras doenças para registrá-las como óbitos por covid-19.

O próprio governador João Doria já teve uma frase utilizada fora de contexto por uma publicação que o acusava de inventar dados sobre países afetados pela pandemia. Em relação ao anúncio da parceria com a farmacêutica chinesa, Doria foi alvo de críticas por opositores. Algumas das postagens o acusavam de conspiração contra o governo.

A negociação da produção da vacina também foi verificada pelo Fato ou Fake e pelo Aos Fatos, que apontaram como falsa a mensagem de que Doria teria negociado o contrato para as vacinas no ano passado, quando o vírus sequer havia sido identificado.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: