Não é do padre Fábio de Melo texto que viralizou com referência à morte de Marília Mendonça

Não é do padre Fábio de Melo texto que viralizou com referência à morte de Marília Mendonça

Postagem com autoria errada obteve mais de 200 mil compartilhamentos no Facebook; post original foi publicado por jornalista em 2019

Alessandra Monnerat

08 de novembro de 2021 | 15h07

Não é de autoria do padre Fábio de Melo um texto intitulado “Aprenda a não ser idiota”, que viralizou no Facebook com referência à morte da cantora Marília Mendonça. O texto da postagem, que reflete sobre a efemeridade da vida, foi publicado originalmente em 2019, pelo jornalista Bruno Garcia. Na época, ele comentava sobre a morte da modelo Caroline Bittencourt, que caiu de um barco durante um vendaval no litoral de São Paulo em abril daquele ano. 

O texto começa dizendo que “a vida não pode ser só trabalhar e pagar conta”, continua afirmando que “os dias estão passando muito rápido, os celulares estão consumindo nossos preciosos minutos de conversas, de carinho e de risadas” e aconselha que as pessoas organizem a vida “colocando prioridades que realmente importam no seu dia a dia”, passando mais tempo com quem amam. Além de mencionar a morte de Caroline Bittencourt, a postagem também lembra a queda de helicóptero que matou o jornalista Ricardo Boechat no início de 2019.

Padre Fábio de Melo durante participação no programa ‘Que História é Essa, Porchat’. Foto: Ju Coutinho/Divulgação

O post passou a circular com a “assinatura” de Fábio de Melo após ser republicado por uma página de fãs do religioso em maio de 2019, segundo o site Boatos.Org. Agora, após a morte de Marília Mendonça, voltou a viralizar com a autoria errada. Uma das postagens com o texto teve mais de 220 mil compartilhamentos desde o sábado, 6. O próprio autor da reflexão, Bruno Garcia, comentou no post: “esse texto é meu, não do padre”.

O jornalista também fez um alerta em seu perfil no Facebook: “Um aviso a todos os sites que compartilham esse texto como sendo do padre Fábio de Melo… o texto é meu, cada vírgula, ponto e parágrafo”, escreveu, acrescentando que não era a primeira vez que a confusão ocorria.

O que Fábio de Melo disse sobre Marília Mendonça

Na sexta-feira, 5, o cantor escreveu em sua conta no Instagram que, com Marília, “morreu uma multidão”. No fim de semana, padre Fábio de Melo participou de um tributo à rainha da sofrência no Domingão com Huck, da Rede Globo. “A gente perde Marília no momento em que não estamos sabendo perder porque estamos perdendo demais, sofrendo muito. A pandemia trouxe muito sofrimento”, disse ele.

Marília morreu na sexta-feira, em um acidente aéreo ocorrido próximo à cidade de Piedade de Caratinga, em Minas Gerais. À bordo da aeronave também estavam o produtor Henrique Ribeiro, o assessor Abicieli Silveira Dias Filho, além do piloto Geraldo Martins de Medeiros e do co-piloto Tarciso Pessoa Viana. As causas do acidente ainda não foram esclarecidas.

A cantora tinha 26 anos e deixou um filho de 1 ano e meio. Uma das artistas mais populares do Brasil, fez sucesso ao escrever e cantar de forma direta sobre a vida de quem sofre por amor. No sertanejo, gênero historicamente dominado por homens, foi reconhecida por abrir espaço para o ponto de vista feminino. Seu último trabalho foi com as amigas Maiara e Maraisa, no projeto Patroas.


Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.