Outdoor pedindo ‘um Bolsonaro’ para Portugal não é atual e foi colocado por partido de extrema-direita

Outdoor pedindo ‘um Bolsonaro’ para Portugal não é atual e foi colocado por partido de extrema-direita

Imagem que circula nas redes sociais é verdadeira, mas foi fotografada em 2018; a legenda nanica Ergue-te foi a única a apoiar eleição do presidente brasileiro e não tem representatividade no parlamento português

Daniel Tozzi Mendes, especial para o Estadão

13 de outubro de 2021 | 17h17

Circula pelas redes sociais a imagem de um outdoor colocado em uma rua de Lisboa, capital de Portugal, parabenizando o Brasil por ter eleito o presidente Jair Bolsonaro e pedindo “um Bolsonaro” para o país europeu. No entanto, ao contrário do que dão a entender publicações da foto que viralizaram na última semana nas redes sociais, esse outdoor não foi instalado agora. Trata-se de uma ação do partido de extrema-direita português Ergue-te (antes conhecido como PNR), realizada após as eleições brasileiras de 2018, ou seja, há quase três anos.  

Além disso, diferentemente do que dizem as postagens, as placas não foram colocadas em “várias praças” ou em mais de um lugar. De acordo com o que divulgou o próprio partido em novembro de 2018, apenas um outdoor foi instalado com a mensagem, na região da Saldanha, em Lisboa. A legenda informou ter sido a única organização política de Portugal que apoiou abertamente a campanha de Bolsonaro. 

No outdoor, ao lado das imagens de Bolsonaro e de políticos ligados ao partido português está escrito “Parabéns, Brasil. Adeus esquerda; corrupção; violência; marxismo cultural; ideologia de gênero; subsídiodependência. Agora falta em Portugal”. 

Leitores solicitaram a checagem deste conteúdo por WhatsApp, (11) 97683-7490.

Apesar do site e as redes sociais do Ergue-te seguirem divulgando conteúdos em apoio ao presidente do Brasil, nenhuma outra ação com outdoor nas ruas de Portugal com esse teor foi registrada desde 2018. 

Extremismo e baixo desempenho eleitoral

Responsável pelo outdoor, o Ergue-te se intitula, em suas redes sociais, como “o partido nacionalista de Portugal” e “defensor dos valores ocidentais; da família e da propriedade privada”. Fundado em 2000, a organização era chamada de Partido Nacional Renovador (PNR) até 2020, quando decidiu mudar o nome para Ergue-te. 

O site do partido traz conteúdos que condenam a imigração e as políticas de isolamento adotadas durante a pandemia de covid-19, chamadas de “ditadura da nova ordem sanitária”. Em 2019, quando a Câmara Municipal de Lisboa aprovou uma homenagem a ex-vereadora do Rio de Janeiro Marielle Franco, a agremiação escreveu um texto criticando duramente a ação e afirmando falsamente que o assassinato da brasileira foi causado por ela viver “no meio de gangues do crime e do tráfico de droga”. 

Apesar do ativismo nas redes, o desempenho eleitoral do Ergue-te não tem sido significativo. Nas eleições para o parlamento português de 2019, o partido conseguiu somar apenas 0,3% dos votos, patamar abaixo do necessário para eleger um representante no parlamento. 

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.