Plataforma colaborativa convoca leitores a identificar desinformação e discurso de ódio
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Plataforma colaborativa convoca leitores a identificar desinformação e discurso de ódio

Healthy Internet Project tem como objetivo construir base de dados sobre conteúdo nocivo online

Estadão Verifica

25 de agosto de 2020 | 14h41

Desinformação e discurso de ódio são alguns dos principais problemas da vida online hoje, mas é muito desafiador rastrear o conteúdo nocivo que circula na internet. Para tentar melhorar esse cenário, foi criado o Healthy Internet Project, uma plataforma colaborativa em que usuários podem denunciar sites abusivos. O esforço conjunto construirá uma base de dados útil para jornalistas, organizações da sociedade civil e empresas de tecnologia.

Funciona assim: o usuário instala uma extensão para o navegador Google Chrome que permite marcar o melhor e o pior da internet. Não é necessário enviar nenhuma informação pessoal para participar.  É possível classificar notícias, vídeos e postagens de redes sociais como “ideias que valem a pena”; “mentiras ou manipulação”; “abuso ou assédio” e “divisão ou medo”. 

Essas marcações serão avaliadas por um moderador, um usuário mais experiente da ferramenta. Eventualmente, novos voluntários podem se tornar mediadores e avaliar classificações feitas por outros usuários. 

O projeto é da organização TED, desenvolvido com apoio da divisão do Google Jigsaw e do Centro Internacional para Jornalistas (ICFJ). O Estadão Verifica é um dos parceiros no Brasil e, junto com a coalizão do Comprova e o site de fact checking Aos Fatos, terá acesso aos dados coletados na plataforma. 

As informações coletadas por meio do Healthy Internet Project podem ajudar a identificar campanhas de desinformação e novas táticas para promover discurso de ódio online. Dessa forma, os parceiros do projeto podem tomar atitudes para mitigar esse conteúdo nocivo.

Leia mais sobre o Healthy Internet Project aqui.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: