Negacionista do clima divulga informações falsas sobre processo de difamação no Canadá

Postagem no Facebook distorce sentenças para dar ideia de que cientistas cometeram 'fraude'

Alessandra Monnerat

06 de fevereiro de 2020 | 17h53

Não é verdade que um tribunal do Canadá tenha condenado cientistas responsáveis por comprovar a influência humana no aumento de temperatura do planeta. A informação enganosa foi divulgada pela página de um professor da Universidade de São Paulo (USP) conhecido por ser negacionista do aquecimento global. 

Uma publicação de Ricardo Felício, que cita os blogs “Blasfemias.net” e “Richard Jakubaszko”, alega que um tribunal do Estado canadense da Colúmbia Britânica teria condenado dois cientistas que atestam a influência humana nas mudanças climáticas, em favor do negacionista do clima Tim Ball. O post sugere que a corte teria exposto a “farsa” dos estudos sobre mudanças climáticas. Nada disso é verdade — nenhum dos processos dizia respeito à veracidade dos estudos sobre aquecimento global.

O primeiro caso citado é uma ação de difamação movida por Andrew Weaver, professor da Universidade de Victoria, no Canadá, contra Ball, professor na Universidade de Winnipeg, no mesmo país. Weaver é colaborador do Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática (IPCC), órgão ligado às Nações Unidas (ONU).

Weaver reclamava de um artigo em que Ball questionava os estudos científicos do IPCC e a conclusão de que a liberação de gases de efeito estufa por atividades humanas acelerou o aquecimento do planeta. 

Em 2018, a Suprema Corte da Colúmbia Britânica decidiu arquivar o processo. A argumentação do juiz era que o artigo escrito pelo negacionista do clima era tão absurdo que não ameaçava a honra de Weaver.

“O artigo é mal escrito e não mostra argumentos críveis a respeito da teoria do dr. Ball”, disse o juiz Ronald Skoolrod. “Uma pessoa racional e bem informada que ler o artigo dificilmente acreditará na visão do dr. Ball.” 

O segundo caso citado no post de Ricardo Felício é outra ação de difamação, movida por Michael Mann, professor da Universidade Penn State, contra Ball. O negacionista do clima disse em entrevista a um site que Mann deveria estar na cadeia. O site posteriormente publicou um pedido de desculpas ao cientista.

Mann também é colaborador do IPCC e um dos autores do gráfico “taco de hóquei” — que mostra que a temperatura da Terra aumentou significativamente a partir do século XX.

A ação de Mann contra Ball também foi arquivada pela Suprema Corte da Colúmbia Britânica, em 2019. Mas o motivo não tem nada a ver com a validade dos estudos de Mann. Na verdade, o juiz Christopher Giaschi argumentou que muito tempo havia se passado desde o início do processo (em 2011). Além disso, o magistrado disse que as duas partes já tinham mais de 80 anos e que Ball estava mal de saúde.

Giaschi também afirma que a decisão não se refere às diferenças de opinião entre Mann e Ball e que as duas partes apresentaram uma quantidade excessiva de evidências à corte.

Múltiplos estudos mostram que há consenso de 97% entre cientistas do clima sobre a interferência humana no processo de mudanças climáticas — isto é, a maioria concorda que o aumento de temperatura no planeta ocorre por causa de atividades humanas. Além disso, a maioria das entidades científicas internacionais endossam essa posição. 

 

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.