Não, Kamala Harris não ‘fingiu’ ter tomado vacina contra covid-19
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Não, Kamala Harris não ‘fingiu’ ter tomado vacina contra covid-19

Campanha anti-vacina nas redes afirma que vice-presidente eleita dos EUA fez 'encenação' em torno da imunização, mas há vários registros fotográficos do momento em que dose é administrada

Alessandra Monnerat

06 de janeiro de 2021 | 15h46

É falso que a vice-presidente eleita dos Estados Unidos, Kamala Harris, tenha “fingido” tomar vacina contra a covid-19. A americana foi vacinada no dia 29 de dezembro, em transmissão ao vivo na televisão. Além de vídeos que mostram o momento da imunização, várias fotos retratam o instante em que a agulha perfurou o braço da senadora (1, 2, 3).

Kamala Harris recebe dose da vacina da Moderna contra covid-19. Foto: Leah Milis/Reuters

A vacinação de Kamala foi divulgada por veículos de imprensa de todo o mundo, como The Guardian, LA Times, CNN, BBC, The Telegraph, entre outros.

Harris também divulgou a filmagem, de um ângulo diferente, do momento em que recebe a primeira dose da vacina da Moderna.

No Facebook e no WhatsApp, o vídeo da vacinação de Kamala tem sido compartilhado acompanhado de um texto que afirma que a “Vice Presidente do Biden [está] fingindo estar tomando a vacina contra Covid. Pasme, amigo, a agulha da seringa, simplesmente, dobra!”. 

Na verdade, não é a agulha que dobra. Depois de administrar a dose em Kamala, a enfermeira dobra uma espécie de tampa plástica, que protege a agulha. Veja nesse vídeo de uma fabricante de seringas como funciona o processo:

Nessa foto, publicada pela agência Reuters, é possível ver claramente a agulha e a proteção plástica cor-de-rosa. Abaixo, observe a imagem mais de perto para ver as diferentes partes que compõem a seringa.

Kamala Harris é vacinada. Foto: REUTERS/Leah Millis

Fotos: REUTERS/Leah Millis

Esse boato também foi checado por Agência Lupa, Aos Fatos e Fato ou Fake

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.