Não há evidência de que funcionários usaram veículo oficial em campanha de Haddad
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Não há evidência de que funcionários usaram veículo oficial em campanha de Haddad

Nenhum material de campanha aparece nas imagens; o Comprova não localizou o autor da gravação viral

Estadão Verifica

25 de outubro de 2018 | 15h57

checagem abaixo foi publicada pelo Projeto Comprova. A verificação foi realizada por uma equipe de jornalistas da Bandnews FM e Gaúcha ZH. Outras redações concordaram com a checagem, no processo conhecido como “crosscheck”.

Projeto Comprova é uma coalizão de 24 veículos de mídia com o objetivo de combater a desinformação durante o período eleitoral. Você pode sugerir checagens por meio do número de WhatsApp (11) 97795-0022.

Não há evidências de que servidores públicos da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), em Petrolina, em Pernambuco, usaram veículos oficiais para fazer campanha para o candidato à Presidência Fernando Haddad (PT). O vídeo sem comprovação foi compartilhado no Twitter.

Ao publicar uma gravação que mostra funcionários embarcando em uma caminhonete branca com identificação da universidade, um tuíte afirmou: “URGENTE: Em vídeo divulgado nas redes sociais, servidores públicos federais utilizam carros oficiais para desempenhar campanha política em prol de Fernando Haddad, candidato à Presidência pelo Partido dos Trabalhadores (PT); o veículo contém placas da UNIVASF.

Na gravação, um homem diz: “Sabe que não pode, né? Sabe que não pode manifestação política com carro oficial. Polícia Federal ficar sabendo, viu? Vou chamar mesmo”. Porém, nenhum material de campanha aparece na imagem. Uma das passageiras parece vestir uma camiseta com o slogan “Ele não”, que se popularizou em protesto ao candidato Jair Bolsonaro (PSL), mas não é possível ter certeza pelo vídeo publicado. O Comprova não conseguiu localizar a versão original do vídeo, nem o homem da voz que aparece na gravação.

Procurada, a assessoria de imprensa da Univasf afirmou que as pessoas que aparecem no vídeo sequer eram servidores públicos. Tratam-se de funcionários terceirizados contratados pelo Programa de Conservação da Fauna e Flora do Projeto de Integração do Rio São Francisco com as Bacias do Nordeste Setentrional (Pisf), financiado pelo Ministério da Integração Nacional.

Em nota, a universidade ainda informou que os funcionários estavam realizando atividades de campo do referido programa na manhã da última terça-feira, 23 de outubro, no município de Cajazeiras, na Paraíba. Ao analisar o conteúdo, a assessoria não constatou qualquer ato que “configure desobediência à Lei Eleitoral”. Em uma busca reversa — uma procura para encontrar imagens relacionadas em toda a internet — pelas ferramentas InVID e RevEye, o Comprova não localizou nenhuma outra versão do vídeo.

O tuíte foi publicado pela conta Conexão Política às 10h55min desta quarta-feira, 24. Até as 11h desta quinta-feira, 25, o vídeo havia sido retuitado 7.484 vezes e recebido 13.228 curtidas.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.