‘Motociata’ com participação de Bolsonaro não é recente nem aconteceu no Rio Grande do Norte

‘Motociata’ com participação de Bolsonaro não é recente nem aconteceu no Rio Grande do Norte

Evento ocorreu em setembro de 2021 entre duas cidades pernambucanas; vídeo voltou a circular com indicação de que ocorreu em Caicó, no mesmo dia em que presidente esteve na cidade

Clarissa Pacheco

17 de fevereiro de 2022 | 14h23

O vídeo de uma ‘motociata’ com participação do presidente Jair Bolsonaro (PL) circula pela internet em diversos posts e desinforma ao afirmar que se trata de um evento com apoiadores ocorrido no início de fevereiro de 2022, em Caicó (RN). As imagens são reais, mas o passeio de moto foi entre as cidades pernambucanas de Santa Cruz do Capibaribe e Caruaru, a mais de 290 quilômetros de Caicó. Elas também não são atuais, e sim do dia 4 de setembro de 2021, às vésperas dos atos de 7 de Setembro.

Bolsonaro havia chegado a Pernambuco no dia 3 daquele mês, quando participou da inauguração de uma escola e da cerimônia de passagem do Comando Militar do Nordeste. Três dias antes, esteve em um evento parecido em Uberlândia (MG). Ao final de setembro, um levantamento da Folha de S. Paulo mostrou que cinco das 12 ‘motociatas’ ocorridas desde julho de 2021 com a participação de Bolsonaro tinham custado R$ 2,8 milhões aos cofres públicos.

Os vídeos que circulam atualmente no Facebook e que falsamente afirmam que a “motociata” aconteceu no Rio Grande do Norte em fevereiro de 2022 acumulam quase 40 mil interações. No dia 9 de fevereiro, o presidente esteve no Estado para inauguração de trecho final da Transposição do Rio São Francisco. Ao mudar a data do evento, os posts ainda sugerem que as pesquisas de intenção de votos para a eleição presidencial de 2022 estão erradas. O ex-presidente Lula lidera as pesquisas.

Data e local do evento

Em dois dos vídeos compartilhados no Facebook há uma marca no canto inferior direito com a logomarca do aplicativo de compartilhamento de vídeos Kwai, além da ID do usuário que postou o vídeo. O Estadão Verifica, então, buscou por postagens na conta do usuário e localizou as mesmas imagens, com a mesma narração de fundo, em um post de 4 de setembro de 2021. Na legenda, o usuário informa que o evento saiu de Santa Cruz para Caruaru em 4 de setembro de 2021.


Outro indício de que a ‘motociata’ não aconteceu no Rio Grande do Norte está nas placas das motos. Foi possível identificar elo menos três placas e todas elas, conforme dados do app Sinesp Cidadão, do Ministério da Justiça e Segurança Pública, são de municípios pernambucanos.

Além disso, com a informação do autor do vídeo de que o passeio de moto aconteceu em Santa Cruz do Capibaribe, o Verifica localizou matérias na imprensa nacional noticiando a participação do presidente no evento (1, 2, 3) e um vídeo no Facebook do próprio Bolsonaro confirmando que ele esteve em uma ‘motociata’ na cidade pernambucana naquele data.

Vídeo usado fora do país

Além de postagens em redes sociais de brasileiros, o vídeo registrado em Santa Cruz do Capibaribe vem sendo utilizado desde setembro do ano passado em redes sociais de estrangeiros para espalhar desinformação. Uma busca reversa de imagens utilizando um frame no buscador russo Yandex mostra que o vídeo foi postado em 8 de setembro e 2021 por uma moradora de Oremburg, na Rússia, junto com outras imagens como se fosse uma passeata de caminhoneiros e motociclistas em apoio às denúncias de Bolsonaro contra os “globalistas”.

Postagem de usuária na rede social russa VK

Já um usuário norte-americano da rede Vk disse que o ato era em comemoração pela Independência e contra a “tirania fármaco-fascista da covid”.

Postagem de usuário norte-americano também na rede russa VK


Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.