É antigo vídeo de Alexandre de Moraes sendo hostilizado na Avenida Paulista

É antigo vídeo de Alexandre de Moraes sendo hostilizado na Avenida Paulista

Gravação é de 2016, quando atual ministro do STF era Secretário de Segurança Pública de São Paulo

Pedro Prata

06 de maio de 2022 | 16h14

É antigo um vídeo no qual o ministro Alexandre de Moraes é vaiado na Avenida Paulista, em São Paulo. Uma postagem resgata as imagens com a legenda “Xandão fez o teste de popularidade e deu ruim”. Sem informar que as imagens foram gravadas em 2016, a postagem passa a ideia a usuários de que seria um vídeo atual. Esse conteúdo foi compartilhado ao menos 1,4 mil vezes no Facebook.

Vídeo foi gravado em 2016 durante protestos pelo impeachment de Dilma Rousseff. Foto: Reprodução

O vídeo mostra imagens de Alexandre de Moraes andando pela Avenida Paulista enquanto é vaiado e xingado por manifestantes. Ele é escoltado por seguranças até um carro e vai embora. Duas pessoas chutam o carro em movimento.

No canto superior esquerdo do vídeo é possível ver a marca d’água da TV Folha, setoraudiovisual do jornal Folha de S. Paulo. Uma pesquisa no Google com as palavras-chave “TV Folha + Alexandre de Moraes + vaiado + Avenida Paulista” leva para uma reportagem do dia 17 de março de 2016 onde o vídeo foi originalmente publicado.

A matéria “Secretário da Segurança de SP é vaiado e deixa av. Paulista sob escolta policial” informa que Moraes – à época à frente da Segurança Pública no governo paulista – foi xingado de “fascista”, “vagabundo” e “oportunista” por manifestantes contrários ao governo de Dilma Rousseff. Segundo a Folha, o secretárioAlexandre informou que a polícia desbloquearia a avenida ainda naquele dia, pois manifestações pró-governo estavam marcadas para o dia seguinte.

Confira o vídeo abaixo:

Como mostrou o Estadão, manifestantes fizeram vigília ao longo da noite contra a decisão de Dilma Rousseff de nomear o ex-presidente Lula como ministro da Casa Civil. Lula teria como principal missão reorganizar a base política do governo e tentar evitar o andamento do processo de impeachment. No mesmo dia, o ex-juiz da Lava Jato Sergio Moro divulgou interceptação telefônica entre Dilma e Lula que serviu para a oposição acusar o ex-presidente de usar a nomeação para ter foro privilegiado e deixar a jurisdição da Justiça Federal do Paraná.

O Estadão também registrou os ataques contra Alexandre de Moraes.

Reprodução do ‘Estadão’ de 18 de marco de 2016

Postagem engana

A postagem analisada foi publicada em 2 de maio de 2022. Sem nenhuma informação de que o vídeo é antigo, leitores acreditaram ser uma gravação recente e interpretaram a reação a Alexandre de Moraes no contexto dos atuais embates entre o presidente Jair Bolsonaro (PL) e o Supremo Tribunal Federal.

Um usuário usou um termo pejorativo para se referir aos ministros do STF e questionou se eles “andarão nas ruas de peito aberto” quando deixarem a Corte. Outro opina que “pior ministro não existe”, mas Moraes só foi indicado por Michel Temer (MDB) para o STF em 2017.

Postagens imprecisas que não informam o local ou a data em que o conteúdo foi produzido são enganosos porque não permitem ao usuário conhecer seu contexto original. Desconfie também de vídeos e fotos com baixa qualidade. Eles escondem detalhes nas imagens que permitiriam uma busca por mais informações para confirmar sua veracidade.

A Lupa e AFP Checamos também analisaram este conteúdo.


Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.