Vídeo distorce discurso de Lula em 1º de maio para dizer que petista desistiu de campanha

Vídeo distorce discurso de Lula em 1º de maio para dizer que petista desistiu de campanha

Vídeo no Facebook inverte sentido das frases da fala do petista; ex-presidente disse que será apresentado como pré-candidato no dia 7 de maio

Samuel Lima

05 de maio de 2022 | 18h47

Circula no Facebook um vídeo dizendo que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) teria “admitido derrota” contra Jair Bolsonaro (PL) e desistido da corrida ao Planalto em discurso durante ato político em São Paulo, no dia 1º de maio. Ainda que o petista tenha evitado se colocar imediatamente como pré-candidato, ele afirmou justamente o contrário no evento: que será apresentado dessa forma a partir do dia 7 de maio e que acredita que Bolsonaro será derrotado nas eleições de outubro.

O vídeo que viralizou no Facebook mostra apenas a seguinte frase de Lula: “Eu ainda não sou candidato, só dia 7 (de maio) eu serei pré-candidato, mas se preparem porque alguém melhor que esse presidente (Bolsonaro) vai ganhar as eleições”, declarou Lula em um palco montado por centrais sindicais na praça Charles Müller, em frente ao estádio do Pacaembu.

Embora não tenha citado nominalmente Bolsonaro, é possível entender pelo contexto do discurso que o petista se referia ao atual presidente. Alguns minutos depois, Lula voltou a falar que ainda formalizaria a pré-candidatura: “Se preparem, porque logo, logo vai estar tudo formalizado. Vamos acordar um belo dia do mês de outubro agradecendo a Deus e agradecendo a liberdade, porque a liberdade finalmente abriu as asas sobre o povo brasileiro”.

O discurso, que começou com mais de três horas de atraso, foi transmitido ao vivo por diversos veículos de comunicação. Veja a fala completa na gravação abaixo da CNN Brasil.

A data mencionada por Lula no discurso (7 de maio) se refere ao evento de lançamento oficial de sua pré-candidatura à Presidência da República pelo PT. Líder nas intenções de voto nos levantamentos dos principais institutos de pesquisa, o ex-presidente articula uma coalizão com partidos de esquerda e de centro — PSB, PCdoB, PSOL, PV, Solidariedade e parte da Rede declararam apoio — e encaminha uma chapa com o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSB) como vice. A escolha do ex-tucano, porém, depende ainda de aprovação no encontro nacional do PT, a ser realizado nos dias 4 e 5 de junho.

O lançamento da pré-candidatura de Lula ocorreria em 30 de abril, um dia antes do ato do Dia do Trabalho, mas foi remarcado para 7 de maio. O adiamento atendeu a pedido da direção nacional do PSOL, que definiu naquele dia, em encontro das legendas em Brasília, apoiar a chapa presidencial do PT já no primeiro turno das eleições. A direção nacional do PSB também esteve envolvida no dia 30 com um congresso na capital federal a fim de discutir reformas internas em seu programa.

Em nota publicada em seu site nesta quinta-feira, o PT confirma o lançamento da pré-candidatura de Lula e Alckmin no Expo Center Norte, em São Paulo, na manhã do próximo sábado, dia 7.

O boato de que Lula teria anunciado a desistência também foi desmentido pelo Fato ou Fake.


Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.