No Telegram, grupo antivacina espalha inverdades ao sugerir que imunização cria novas variantes de vírus

No Telegram, grupo antivacina espalha inverdades ao sugerir que imunização cria novas variantes de vírus

Dados do governo de Israel mostram que doses de reforço foram aprovadas para variantes que já estavam em circulação

Projeto Comprova

17 de fevereiro de 2022 | 10h21

Esta checagem foi produzida por jornalistas da coalizão do Comprova. Leia mais sobre nossa parceria aqui.

  • Conteúdo verificado: Uma postagem no canal do Telegram do grupo “Médicos pela Vida” insere marcações e texto em gráfico de internações semanais por covid-19 em Israel, para apontar que as datas de início da vacinação da terceira e da quarta dose no país precedem o crescimento de hospitalizações. O texto que acompanha o gráfico sugere que a vacina seria a causadora desse aumento ou ineficaz diante das variantes do coronavírus.

Uma montagem divulgada no canal do Telegram do grupo “Médicos Pela Vida” faz intervenções no gráfico de novas internações por covid-19 em Israel, abrindo margem às seguintes interpretações: que a terceira e quarta doses foram a causa ou teriam contribuído para o avanço de novas variantes do coronavírus, ou que elas teriam sido ineficazes diante do aumento de contágio provocado pelas cepas.

Conforme demonstram as informações oficiais do governo de Israel, ambas leituras são incorretas. A vacinação não causou o surgimento das variantes: as cepas delta e ômicron já estavam em circulação no país quando a aplicação das doses de reforço foi aprovada, justamente para conter o aumento de casos da doença.

Apesar do crescimento no número de hospitalizações, o reforço ofereceu uma proteção importante. Os dados demonstram que a maioria dos internados na segunda onda da ômicron não estavam vacinados. Além disso, comparando as datas de aprovação das doses com as curvas do gráfico original utilizado na postagem, é possível notar que o efeito seguinte é o de queda nas internações.

As explicações de virologistas e epidemiologistas, dadas ao Comprova, também contribuíram para descartar a veracidade das interpretações sugeridas pela postagem.

O Comprova classificou como enganosa a publicação por distorcer dados com o objetivo de induzir o leitor a um erro de interpretação com relação às vacinas e a sua eficácia.

O grupo de Telegram que publicou a mensagem não disponibiliza outros meios de contato além do próprio chat, assim como os administradores não são identificados. O Comprova tentou entrar em contato pelo Telegram e até o momento não teve nenhuma resposta.

Dados de Israel apontam que maioria de hospitalizados é de não vacinados. Foto: Reprodução

Como verificamos?

Por meio de uma busca pelas palavras-chaves indicadas na montagem, foi possível constatar que o gráfico utilizado como base é o do Our World in Data, plataforma mantida por pesquisadores da Universidade de Oxford e que coleta dados globais da pandemia.

Uma pesquisa nas publicações no site do Ministério da Saúde de Israel e em reportagens locais e internacionais trouxe as datas de início da terceira e quarta doses no país, e o contexto em que foram aprovadas: quando as variantes delta e ômicron já estavam em circulação e as curvas de infecção e internações, ascendentes.

O Comprova encaminhou e-mails para diferentes endereços encontrados no site do governo de Israel, mas não obteve resposta até a publicação desta reportagem.

A equipe também fez contato com o virologista Amilcar Tanuri, chefe do Laboratório de Virologia Molecular do Instituto de Biologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), e com o médico sanitarista Gonzalo Vecina, ex-diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), para que explicassem o comportamento do vírus e da vacina no organismo.

A reportagem também buscou os autores da postagem, sem sucesso. O Comprova contatou um grupo de nome semelhante, mas este esclareceu não ser o autor da postagem.

O Comprova fez esta verificação baseado em informações científicas e dados oficiais sobre o novo coronavírus e a covid-19 disponíveis no dia 16 de fevereiro de 2021.

Israel aprovou a quarta dose de vacina para imunossuprimidos e pessoas acima de 60 anos. Foto: Ammar Awad/Reuters (05/01/2022)

Verificação

O gráfico oficial e as inserções

gráfico original do site Our World in Data mostra o número de internações semanais em leitos de UTI por covid-19 em Israel, por milhão de pessoas, com curvas ascendentes por volta de agosto de 2021 e fevereiro de 2022. A visualização dos dados não traz qualquer menção à vacinação. Somente no conteúdo replicado no Telegram são inseridas, na imagem, as setas com as inscrições “3ª dose” e “4ª dose”, pouco antes de as curvas crescerem.

Essas inscrições dão a entender que a aplicação das terceiras e quartas doses da vacina foram a causa ou teriam contribuído para o avanço de novas variantes do coronavírus, ou que elas seriam ineficazes diante do aparecimento das mutações do vírus. As interpretações são sugeridas pelo seguinte texto que acompanha o gráfico:

“Uma imagem vale mais que mil palavras! Talvez desenhando fique mais fácil de entender a relação de eficácia das diversas doses de vacinas x avanço das novas cepas… Dados de Israel, um dos países que mais vacinaram sua população em todo o mundo.”

No entanto, as interpretações não encontram respaldo nos dados oficiais disponíveis no site do governo de Israel, nas informações consultadas na imprensa local e internacional e nas avaliações dos pesquisadores ouvidos nesta verificação.

Em junho, governo israelense reforçou a campanha de vacinação em adolescentes de 12 a 15 anos por causa do avanço da variante Delta na época. Foto: Amir Cohen/Reuters (21/06/2021)

Vacinas para conter variantes

Segundo conteúdo disponível na página de notícias do Ministério da Saúde de Israel, a terceira e a quarta doses da vacina contra a covid-19 foram aprovadas para conter as ondas de contaminação, já em curso, provocadas pelas variantes delta e ômicron.

Nesta notícia, de 5 de agosto de 2021, o Ministério da Saúde de Israel recomenda a vacinação de adolescentes diante da prevalência e alta transmissibilidade da delta, que foi identificada no país em abril. A terceira dose foi aprovada em 30 de julho (pessoas acima de 60 anos), 13 de agosto (50 anos ou mais), 24 de agosto (acima de 30 anos) e 29 de agosto (acima de 12 anos). Ou seja, quando a variante delta já estava em circulação. Ao observar essas datas no gráfico, é possível perceber queda na curva de internações na sequência.

O mesmo se dá em relação à onda de contaminação da ômicron. Segundo o gráfico abaixo, extraído do site do Ministério da Saúde de Israel (boletim de 10 de janeiro, pág. 3), a predominância da variante tem início no país em meados de dezembro de 2021, com a indicação próxima do dia 18. As quartas doses em Israel foram aprovadas em 2 de janeiro (pessoas com 60 anos ou mais) e em 26 de janeiro (acima de 18 anos). Portanto, após a prevalência da ômicron.

Gráfico do governo israelense mostra que Ômicron tornou-se predominante em 18 de dezembro.

Ainda no site do Ministério da Saúde de Israel, na página de informações sobre as vacinas, consta que a quarta dose foi aprovada diante da onda de contaminação provocada pela variante ômicron, como destacado abaixo:

Tradução do texto marcado em azul: Diante da atual onda de infecção provocada pela variante Omicron, a quarta dose para públicos adicionais foi aprovada.

Mais uma vez, ao se observar a segunda curva de aumento de internações do gráfico, é possível constatar a queda de internações após as datas de aprovação da quarta dose.

Outro dado que afasta as interpretações sugeridas pela postagem são os estudos de efetividade divulgados pelo Ministério da Saúde de Israel.

Sobre a terceira dose, pesquisadores da pasta e de universidades locais apontaram defesa imunológica 10 vezes maior contra infecção e forma grave da covid-19 após a terceira dose (de reforço) da Pfizer do que em pessoas que foram vacinadas com duas doses há cinco meses ou mais.

“Especialistas de todo o mundo estão tentando descobrir se o motivo da recorrência da doença se deve a alterações no vírus e, principalmente, à entrada da cepa Delta, erosão na eficácia das vacinas ou uma combinação dos dois”, diz trecho da notícia.

Nesta outra publicação, de 25 de janeiro, o Ministério da Saúde de Israel recomenda a quarta dose para pessoas entre 18 e 60 anos. A decisão foi tomada com base em estudo que aponta de três a cinco vezes mais proteção contra formas graves da doença após a quarta dose e duas vezes mais proteção para quem tomou a terceira dose.

Não vacinados são maioria dos internados

O gráfico acima, do governo de Israel, mostra aumento de internações em período que coincide com a segunda curva ascendente do gráfico do Our World in Data, reproduzido, com inserções, na postagem do Telegram ora verificada. A imagem do boletim do governo de Israel traz uma informação adicional: a grande maioria dos hospitalizados são de pessoas não vacinadas.

A informação foi repercutida pela mídia local. Em 8 de fevereiro, o site The Times of Israel publicou reportagem em que o ministro da Saúde de Israel culpa os não vacinados pela alta pressão no sistema hospitalar do país.

A reportagem informa que, de acordo com estatísticas do Ministério da Saúde, as pessoas acima de 60 anos não vacinadas com dose de reforço têm 12 vezes mais chances de adquirir uma forma grave da covid-19 do que as imunizadas na mesma faixa etária.

Dois dias antes, o mesmo veículo de Israel publicou matéria reforçando a informação: em 6 de fevereiro, havia, entre pessoas com 60 anos ou mais, 415,6 casos graves por 100 mil habitantes entre não vacinados, contra 35,9 entre os vacinados.

Israel tem 9,217 milhões de habitantes. As vacinas aprovadas no país são Pfizer, Moderna e Astrazeneca. Foram vacinadas 4.457.409 pessoas com a terceira dose e 704.017 com a quarta, até 16 de fevereiro. Os dados constam em painel do governo de Israel, reproduzido abaixo, com destaque para o quadro ‘Vacinados’ (tradução do hebraico), e o detalhamento por número de doses.

Total de doses aplicadas em Israel. Fonte: Ministério da Saúde de Israel

O que dizem os especialistas

Os especialistas procurados pelo Comprova são categóricos ao afirmar que as vacinas não causam ou favorecem o surgimento de novas variantes. Pelo contrário, as doses fortalecem a imunidade contra o coronavírus.

“A vacina dá uma proteção para as pessoas. Ela diminui a carga viral, faz com que a contaminação não seja tão grave e não leve as pessoas à morte. Essa é a coisa mais importante da vacina”, explica Gonzalo Vecina, médico sanitarista e ex-diretor presidente da Anvisa.

O virologista e professor da UFRJ, Amilcar Tanuri, pondera ainda que a eficiência da vacina é maior do que a proteção causada pela contaminação natural. “A vacina cria o que chamamos de célula de memória e elas são melhores no combate às mutações do que os anticorpos criados pela infecção natural”.

Idosos participam de festa em Tel Aviv momentos antes de tomar a quarta dose contra a covid-19. Foto: Ammar Awad/Reuters (05/01/2022)

Com o início da aplicação da terceira dose da vacina contra o coronavírus para a população em geral a partir do dia 30 de agosto, Israel viu os novos casos de infecções caírem no dia 13 de setembro.

Os dois profissionais, especialistas em vírus e suas propriedades e em contaminações em grande escala, explicam que a natureza do organismo do vírus é se modificar para sobreviver, e as vacinas dificultam essas modificações e não as estimulam.

“As mutações ocorrem de forma natural. As moléculas do vírus estão sempre em mutação, independente de vacina ou mesmo de infecção. O vírus está sempre mudando”, diz o professor Tanuri.

Para Gonzalo Vecina, professor da Universidade de São Paulo (USP), os dados do gráfico mostram impacto positivo das vacinas no controle do coronavírus, justamente devido à queda das curvas após a aprovação das doses extras em Israel:

“A vacina então faz esse combate ao vírus de maneira mais inteligente. Ela protege o corpo inclusive de algumas mutações dependendo de como ela ocorre. Diminui a carga viral e faz os efeitos serem menos agressivos ou danosos”.

Por que investigamos?

O Comprova verifica informações suspeitas que tenham viralizado nas redes sociais ou aplicativos de mensagem sobre políticas públicas do governo federal, eleições presidenciais e a pandemia da covid-19. A publicação checada teve mais de 54 mil interações depois de compartilhada em um canal do Telegram com 110 mil inscritos.

Outras checagens feitas pelo Comprova já mostraram que a vacina não gera câncer, HPV ou HIV, que a segurança que a vacina traz supera os riscos de miocardite e que estudos foram distorcidos na tentativa de sugerir a ineficiência dos imunizantes. A Agência Lupa também fez uma checagem mostrando que a mortalidade por covid não aumentou depois da vacinação em Israel.

Para o Comprova, enganoso é todo conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações; que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor; conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.