Imagem de grande incêndio em unidade do Carrefour foi tirada na Argentina em 2018
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Imagem de grande incêndio em unidade do Carrefour foi tirada na Argentina em 2018

Foto circula em postagem no Facebook que a relaciona a protestos após a morte de João Alberto Silveira Freitas

Victor Pinheiro, especial para o Estadão

30 de novembro de 2020 | 16h59

Uma imagem de 2018, de um incêndio próximo a uma unidade do Carrefour na Argentina, tem sido compartilhada fora de contexto no Facebook, com texto relacionado aos protestos contra a morte de João Alberto Silveira Freitas. O cidadão negro de 40 anos foi assassinado por seguranças em um estacionamento de um supermercado da franquia em Porto Alegre, no Rio de Grande do Sul.

A morte de Beto desencadeou protestos em várias capitais, como Porto Alegre, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Fortaleza e São Paulo. Na capital paulista, manifestantes entraram em uma loja do Carrefour e causaram um princípio de incêndio, que foi controlado pelos funcionários da empresa.

O post ironiza a expressão “Que absurdo tacarem fogo no Carrefour” e apresenta a foto de um incêndio em uma unidade do supermercado. Embora satírica, a publicação tem potencial de desinformar, visto que a foto e o contexto do post não correspondem. A mesma foto aparece em notícia do jornal argentino La Nación, publicada em novembro de 2018.

De acordo com o artigo, o incêndio de grandes proporções ocorreu em um estabelecimento comercial acima de uma unidade do Carrefour localizada na cidade de Tigre, ao norte de Buenos Aires. As chamas chegaram a alcançar 10 metros e mais bombeiros levaram mais de uma hora para controlar o fogo. Não houve vítimas.

Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

Tudo o que sabemos sobre:

carrefourJoão Alberto Silveira Freitas

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.