Senador petista usa checagem para atacar Bolsonaro, mas texto não cita o presidente

Senador petista usa checagem para atacar Bolsonaro, mas texto não cita o presidente

Em postagem de Humberto Costa (PT-PE), etiqueta que classifica conteúdo verificado como 'falso' aparece ao lado de imagem do chefe do Executivo

Victor Pinheiro

24 de agosto de 2021 | 19h33

Uma postagem do senador Humberto Costa (PT-PE) nas redes sociais confunde ao apresentar a etiqueta de uma verificação do Projeto Comprova, publicada pelo Estadão Verifica, ao lado de uma imagem do presidente Jair Bolsonaro. A reportagem desmente um boato falso que inventa dados sobre efeitos colaterais da vacina de covid da Pfizer em crianças, mas em nenhum momento menciona Bolsonaro. 

O conteúdo publicado pelo senador pode levar à conclusão equivocada de que o presidente tem relação direta com a origem ou disseminação do material enganoso checado pelo Comprova. Embora Bolsonaro já tenha feito declarações falsas questionando a segurança de vacinas de covid (1, 2, 3), a reportagem analisa um texto divulgado em um site antivacina que não tem ligações explícitas com o chefe do Poder Executivo. 

Publicação do senador Humberto Costa no Facebook usou etiqueta do Estadão Verifica; Foto: Reprodução/Facebook

O Estadão Verifica não identificou o compartilhamento do material nos perfis de Jair Bolsonaro nas redes sociais. A legenda da postagem não cita diretamente o presidente e afirma que, em meio à vacinação, “ainda tem bolsonarista jogando contra o mundo e a favor do vírus”. 

Questionada se o conteúdo não poderia confundir usuários, a assessoria do senador Humberto Costa negou que a postagem apresente qualquer associação distorcida ou falsa. Segundo mensagem enviada ao Estadão por WhatsApp, o conteúdo traz a foto do presidente “porque esse novo ataque às vacinas tem sido distribuído por bolsonaristas”. 

“Em que pese o presidente da República não ser o responsável direto por essa nova mentira sobre vacinas (e isso não está dito na postagem), ele é o responsável por uma série de ataques mentirosos aos imunizantes, disseminados por seus apoiadores por meio de mídias sociais, assim como essa publicação que foi alvo da postagem”, disse a assessoria do senador.

O site alvo da verificação do Comprova reúne uma série de postagens desinformativas e conspiratórias sobre vacinas e covid-19. Um levantamento da associação sem fins lucrativos Avaaz, publicado em novembro de 2019, listou o site entre os principais propagadores de boatos antivacina no ecossistema digital no Brasil. 

Documento

Em um canal do Telegram divulgado no site também há publicações de apoio ao presidente Jair Bolsonaro e aliados, com conteúdos contra medidas sanitárias, críticas a governadores opositores do presidente e ao Supremo Tribunal Federal (STF). 

Tudo o que sabemos sobre:

humberto costabolsonaro

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.