Grupos antivacina espalham informação falsa de que pastor morreu por reação a imunizante
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Grupos antivacina espalham informação falsa de que pastor morreu por reação a imunizante

Boatos enganosos distorcem contexto de imagem para sugerir que homem morreu devido aos efeitos da Coronavac; prefeitura e igreja de cidade do Tocantins negam ocorrência

Victor Pinheiro, especial para o Estadão

19 de fevereiro de 2021 | 12h20

É falso que um pastor chamado Venceslau tenha morrido devido a reações da vacina Coronavac, imunizante contra covid-19 do laboratório chinês Sinovac que é importado e produzido no Brasil pelo Instituto Butantan. 

O boato circula nas redes sociais em diferentes versões e níveis de detalhamento. Todas as mensagens, porém, apresentam a foto de um homem ao lado da suposta data de nascimento e óbito. Uma série de posts enganosos afirma que falecido seria um pastor da cidade de Araguaína, no Tocantins. 

A imagem, entretanto, foi copiada de perfis do Facebook de amigos e familiares de um homem que frequentava a cidade de Guarulhos, em São Paulo, e morreu no dia 20 de janeiro. Nas publicações originais não há menção a vacina. Comentários sugerem que a morte foi consequência de complicações de covid-19. A reportagem procurou a família do falecido para confirmar a causa do óbito, mas não obteve retorno. 

É falso que pastor tenha morrido por causa da coronavac no Tocantins

Não há registros de mortes provocadas por reações da Coronavac no Brasil. Em nota, a Prefeitura de Araguaína esclareceu que “nenhuma complicação após a aplicação da vacina foi registrada na cidade”. O comunicado também indica que algumas versões do boato atribuíram ao homem a ocupação de enfermeiro. 

A administração municipal ainda ressaltou que a data de falecimento indicada na imagem “é de um dia antes ao início da vacinação da cidade” e que o nome ‘Venceslau’ não consta nos registros de pessoas imunizadas do governo. A cidade recebeu 2.300 doses da Coronavac.

Também mencionada em algumas das mensagens enganosas, a Assembleia de Deus do Ministério de Madureira de Araguaína desmentiu o boato. De acordo com a instituição religiosa, nenhum pastor da igreja morreu após tomar a vacina contra a covid-19. “O suposto pastor Venceslau que está sendo divulgado nas redes sociais não pertence ao nosso ministério em Araguaína e não temos conhecimento da sua existência”, afirmou a igreja.

Uma matéria do site Boatos.Org mostra que as mensagens enganosas também circularam no WhatsApp em formato de áudio. 

Vale ressaltar ainda que a Coronavac recebeu autorização de uso emergencial da Anvisa após a agência avaliar os dados de segurança e eficácia obtidos em ensaios clínicos. Conforme bula divulgada pelo Instituto Butantan, os efeitos adversos registrados nos testes são de grau leve ou moderado – como dor no local da aplicação, náusea, dor de cabeça e diarreia. Não foram constatados eventos adversos graves.

Documento

Tudo o que sabemos sobre:

CoronaVaccoronavírus [vacina]covid-19

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.