Grupo de Facebook ‘Mulheres unidas contra Bolsonaro’ é recente e nunca trocou de nome
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Grupo de Facebook ‘Mulheres unidas contra Bolsonaro’ é recente e nunca trocou de nome

Empresa confirma que o grupo foi criado no dia 30 de agosto de 2018 já com a identidade atual

Estadão Verifica

14 Setembro 2018 | 18h30

checagem abaixo foi publicada pelo Projeto Comprova. A verificação foi realizada por uma equipe de jornalistas da Gaúcha ZH e da Bandnews FM. Outras redações concordaram com a checagem, no processo conhecido como “crosscheck”: Jornal do Commercio e revista piauí.

Projeto Comprova é uma coalização de 24 veículos de mídia com o objetivo de combater a desinformação durante o período eleitoral. Você pode sugerir checagens por meio do número de WhatsApp (11) 97795-0022.

Circula nas redes sociais a informação de que o grupo “Mulheres Unidas Contra Bolsonaro”, do Facebook, teve número de seguidoras inflado artificialmente por meio de uma artimanha: o grupo seria originariamente um grupo de humor, e que depois teria trocado de nome para se transmutar numa campanha contra Bolsonaro, mantendo os seguidores. Essa informação é falsa.

Os boatos variam: uns afirmam que o grupo de humor seria pertencente à página “Gina Indelicada” (exclusivamente feminino, com 800 mil inscritas), outros que seria da “Gina Sincera”. Porém, o Facebook registra que o “Mulheres Unidas Contra Bolsonaro” foi criado no dia 30 de agosto de 2018 – e a data da criação de um grupo, de acordo com a rede social, não pode ser modificada. A empresa também confirma que o grupo “Mulheres Unidas Contra Bolsonaro” nunca mudou de nome nesse período.

Entre os argumentos dos que defendem que o grupo foi “comprado”, está a discrepância entre o número de membros que o Facebook exibe quando se faz uma busca pelo grupo e quando se consulta os inscritos dentro dele (1,8 milhão x 1 milhão, uma diferença de 800 mil perfis). De acordo com os acusadores, esse seria o número de pessoas que saíram do grupo quando perceberam a mudança de nome.

Consultado pelo site Buzzfeed, o Facebook explicou que “essa discrepância [entre o que aparece quando se busca o grupo e quando se está dentro dele] acontece porque o número visível dentro do grupo, que é fechado, inclui pessoas que foram convidadas mas ainda não responderam ou não tiveram seu nome analisado pelas administradoras.”

Segundo o site Hoje em Dia, o criador do personagem Gina Indelicada, Henrique Lopes, afirmou que a informação da venda do grupo é falsa. “Segundo ele, todos os grupos da Gina, incluindo os antigos, permanecem inalterados e podem ser acessados pelos usuários”.

Diversas contas no Twitter e no Facebook estão espalhando a informação falsa. Entre as mais viralizadas, está um tweet do perfil @Anacgraf2 que na tarde do dia 14 de setembro já contava com mais de 2,8 mil curtidas e 1,2 mil retweets, enquanto um post no Facebook da página “Eu sou mais Brasil” já passava dos 18 mil compartilhamentos.

Na peça que a página botou em circulação, há também a informação de que Bolsonaro “é líder absoluto entre as mulheres que gostam de depilar as axilas”, frase sem sustentação, pois esse critério específico não é avaliado durante as consultas. Na pesquisa Ibope divulgada na segunda-feira, o candidato do PSL apresentou um aumento na preferência entre o voto feminino, mas em contrapartida continua sendo a opção mais rejeitada entre as mulheres.

Além do Hoje em Dia e do Buzzfeed, essa alegação também foi alvo do Catraca Livre e do e-Farsas.