Gravação de publicidade em hospital de Israel é tirada de contexto para atacar governo do Ceará
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Gravação de publicidade em hospital de Israel é tirada de contexto para atacar governo do Ceará

Vídeo que circula nas redes cita enganosamente valores repassados ao Estado para a segurança pública para criar teoria de que governadores lucram com pandemia

Pedro Prata

30 de março de 2021 | 11h45

A gravação de um vídeo promocional em um hospital israelense circula fora de contexto nas redes para espalhar teorias da conspiração. A filmagem tem sido compartilhada como se tivesse sido feita no Ceará, com o objetivo de encenar um “teatro da covid“. O boato ainda distorce dados de repasses feitos ao Estado pelo governo federal e pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) para atacar o governador cearense, Camilo Santana (PT).

Imagens são de gravação de propaganda de hospital em Israel. Foto: Reprodução

O vídeo que viralizou nas redes mostra homens com câmeras filmando pessoas cobertas com Equipamentos de Proteção individual (EPIs) dos pés à cabeça, que empurram macas com pacientes. Uma narração diz: “Nessa imagem, tem que mostrar que o caos está tomando conta de tudo, que todo mundo está morrendo, veja”. Um segundo vídeo, em que Camilo Santana anuncia a adoção de medidas de restrição para conter o avanço do coronavírus, é editado junto à gravação no hospital israelense para passar a impressão de que as filmagens foram feitas no Ceará. A legenda da postagem diz se tratar de um “teatro da covid”, reforçando a mensagem falsa.

Ao observar as imagens da equipe de filmagem, é possível ver que um dos médicos possui uma frase em língua estrangeira nas vestes, o que permitiu supor que a gravação não foi feita no Brasil. Ao utilizar a ferramenta InVID, que busca por publicações anteriores de um mesmo vídeo, o Estadão Verifica encontrou o vídeo em blogs de língua francesa, inglesa, croata, holandesa e romena. Todos traziam o vídeo fora de contexto para difundir a teoria da conspiração, dizendo que se tratava de uma “farsa da covid-19” em Israel.

A busca também levou ao site do canal de televisão francês France Info, que afirmava ser falsa a postagem. A reportagem afirma se tratar da gravação de um vídeo promocional do hospital Shamir Assaf Harofeh, em Israel.

Ao final do vídeo, é possível ver frase escrita em língua estrangeira na roupa de um dos profissionais. Foto: Reprodução

Procurado pelo Estadão Verifica, o hospital confirmou a informação. Disse que a peça serviria para mostrar a transformação de um estacionamento em uma enfermaria de emergência.

“É uma pena que atores estrangeiros estejam tirando o vídeo (de contexto) para promover campanha anti-vacinação”, diz a nota enviada por e-mail. “Não temos conexão com esse assunto e condenamos a teoria da conspiração compartilhada nas redes sociais.”

Repasses para a segurança no Estado

A narração do vídeo engana mais uma vez ao dizer que o governador Camilo Santana teria recebido crédito de R$ 290 milhões do Banco Interamericano de Desenvolvimento para “pagar a conta” da covid-19. Na verdade, o dinheiro será utilizado pelo governo cearense para financiar um projeto de segurança pública chamado Programa Integrado de Prevenção e Redução da Violência (PReVio).

Já os R$ 19 milhões “deixados por André Mendonça (ex-ministro da Justiça e Segurança Pública)” dizem respeito à liberação deste valor pelo governo federal para o Estado aplicar na aquisição de equipamentos, de tecnologia ou nas demais áreas da segurança pública.

Os dois valores citados, portanto, não dizem respeito a ações de enfrentamento da pandemia de covid-19. Até essa terça-feira, 30, o Ceará acumulava 529.670 casos confirmados de covid-19 e 13.609 óbitos.

O texto analisado foi enviado por leitores ao WhatsApp do Estadão Verifica, 11 97683-7490. A corrente contém vários elementos comuns a boatos, como:

  • É vago e não apresenta data nem local da suposta gravação.
  • É alarmista e usa termos como “teatro da covid”.
  • Espalha teorias da conspiração.
  • Não cita fontes confiáveis para os dados mencionados.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.