George Orwell não é o autor de frase sobre ‘mentiras universais’

George Orwell não é o autor de frase sobre ‘mentiras universais’

Para pesquisadora, frase dialoga com algumas questões que o escritor britânico aborda em sua obra, mas não é de autoria dele

Clarissa Pacheco

03 de março de 2022 | 17h48

O escritor britânico George Orwell é conhecido no mundo inteiro por sua obra e por suas citações impactantes – até mesmo pelas que nunca disse. Um post no Facebook visualizado quase 450 mil vezes em apenas 24 horas com uma imagem de Orwell e uma frase sobre verdades e mentiras ganhou aplausos, curtidas e comentários em sinal de concordância: “Falou tudo!”. Só que ele não falou. A frase “Numa época de mentiras universais, dizer a verdade é um ato revolucionário” tem diversas variações em inglês, mas não faz parte do repertório de George Orwell.

O Estadão Verifica consultou a professora Débora Tavares, doutora em Literatura Inglesa pela Universidade de São Paulo (USP) e especialista na obra do britânico autor do clássico 1984. Segundo ela, esta é mais uma das citações falsamente atribuídas a Orwell. A página brasileira que compartilhou o post no Facebook, inclusive, não está sozinha. Há camisetas, adesivos e outros itens de decoração com a frase falsamente atribuída a Orwell sendo vendidos na internet; a mensagem ainda aparece em epígrafes de livros e até em posts de políticos. Mas, nas redes, há questionamentos sobre a autoria desta citação pelo menos desde 2011. Sites que compilam frases alertam que, apesar da atribuição, a máxima não aparece na obra de George Orwell.

“Essa formulação não consta no livro 1984 e nem em ensaios ou artigos dele. Talvez seja uma frase que viraliza por dialogar com algumas questões que ele aborda ao longo de sua obra, mas redigido dessa forma não é dele”, explica Débora.

A pesquisadora dá até uma dica para identificar essas falsas atribuições: “Geralmente, expressões muito amplas e universais que falam de dilemas como ‘verdade’, ‘natureza humana’ não são de Orwell, uma vez que ele tem um estilo muito direto e que evita justamente formulações em aberto.  A única ocorrência no livro 1984 (no original) que contém o termo ‘revolucionário’ é o trecho ‘Goldstein was the renegade (…) engaged in counter-revolutionary activities, had been condemned to death, and had mysteriously escaped and disappeared’”, afirma.

A tradução para o português é a seguinte: “Goldstein era o renegado (…) envolvido em atividades contra-revolucionárias, foi condenado à morte, e misteriosamente escapou e desapareceu”.

“Eu acho…”

Garson O’Toole, pseudônimo do administrador do site Quote Investigator, publicou uma análise sobre a frase em fevereiro de 2013. Ele explica que a frase apareceu atribuída a George Orwell pela primeira vez em 1982, no livro Parceiro no Ecocídio: a cumplicidade da Austrália no Cartel de Urânio, de Venturino Giorgio Venturini. Era uma epígrafe entre aspas atribuída a Orwell, mas sem indicar um local específico onde havia sido publicada.

O segundo registro mais antigo desta citação creditada a Orwell foi localizada pelo etimologista norte-americano Barry Popik, colaborador do Oxford English Dictionary. Ela aparece em um periódico canadense chamado Science Dimension, publicado em 1984, e é uma carta de um leitor chamado David Hoffman, que se queixava de um artigo, escreve O’Toole. Ele não colocou a citação entre aspas e acrescentou um ‘eu acho…’:

“Eu acho que George Orwell disse em seu livro 1984 que em uma época de engano universal, dizer a verdade é um ato revolucionário. Se a Science Dimension não estiver preparada para explorar o futuro das tecnologias de energia renovável, exceto em generalizações imprecisas, talvez deva manter sua integridade evitando o assunto por completo”, diz o trecho, compartilhado pelo Quote Investigator, que conclui que a frase, que sofreu variações ao longo dos anos, não é do britânico.

“A origem não é clara, mas é possível que a declaração tenha começado como uma proposta de resumo da posição de Orwell, e mais tarde tenha sido incorretamente convertida em uma citação”, diz.

Mais citações

A frase sobre verdade, mentira e revolução atribuída a Orwell também não aparece no acervo da University College of London, que guarda a obra completa do autor, nem é destacada entre citações do britânico no site oficial da Orwell Society.

O jornalista Benedict Cooper, da Orwell Society, disse que esta é “mais uma citação espúria, uma de muitas”. “Definitivamente não é Orwell – foi escrito anos depois que ele morreu, e foi falsamente atribuído a ele porque soa vagamente ‘Orwelliano'”, informou.

George Orwell costuma ser alvo de outras atribuições errôneas a sua obra. O Estadão Verifica já desmentiu ao menos duas delas: “Para controlar um povo e tomar o poder, tem que conhecer seus medos, e o maior medo das pessoas é da morte. Quando se tornam escravos do medo, é fácil convencê-los que o Estado irá salvá-los”, em outubro de 2021, e “Quanto mais a sociedade se distancia da verdade, mais ela odeia aqueles que a revelam”, em janeiro de 2022.


Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.