Foto viral mostra crianças tendo aulas pelo rádio por causa de epidemia de pólio em 1937
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Foto viral mostra crianças tendo aulas pelo rádio por causa de epidemia de pólio em 1937

Imagem feita em Chicago foi resgatada em meio a debate sobre volta às aulas presenciais durante pandemia de covid-19

Pedro Prata

03 de fevereiro de 2021 | 16h44

Circula nas redes sociais uma foto em preto e branco de crianças tendo aula pelo rádio em Chicago, nos Estados Unidos, durante uma “pandemia” de poliomielite, em 1937. Leitores solicitaram a checagem deste conteúdo pelo WhatsApp do Estadão Verifica, 11 97683-7490.

Foto: Reprodução

A imagem está disponível no banco de imagens Getty Images, e realmente mostra crianças tendo aula pelo rádio, em 1937, na cidade de Chicago. Diferentemente do que diz o post viral, o motivo foi uma epidemia, não uma pandemia, de poliomielite, uma vez que atingiu um grande número de indivíduos em determinadas localidades. Já uma pandemia é o surto de uma doença que cruza fronteiras políticas e se espalha por diferentes continentes.

“Devido a uma epidemia de paralisia infantil em Chicago, a volta às aulas foi adiada. Estudantes receberam aulas gravadas pelo rádio”, diz a legenda. Na foto, aparecem Patricia Smith e Jack Smith (frente) e Chuck Murray e Jim Murray (fundo).

A poliomielite acomete principalmente crianças e pode causar paralisia. Na época da foto ainda não havia vacinas, motivo que levou as escolas a manterem as portas fechadas. Graças a uma campanha global de vacinação, hoje dois dos três tipos de vírus da pólio estão erradicados. O terceiro tipo é encontrado somente no Afeganistão e no Paquistão, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Para fazer esta checagem, o Estadão Verifica utilizou o mecanismo de busca reversa do Google. Ele permite identificar as diferentes situações em que uma imagem foi postada na internet.

Tudo o que sabemos sobre:

poliomielite

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.