Foto em que cachorro resgata pessoa é de 2019 e não tem relação com terremoto na Turquia
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Foto em que cachorro resgata pessoa é de 2019 e não tem relação com terremoto na Turquia

Fotografia que viralizou no Facebook foi publicada originalmente em banco de imagens

Pedro Prata

09 de novembro de 2020 | 11h59

A foto de um cachorro viralizou no Facebook com legendas falsas, que afirmavam que o animal teria ajudado socorristas a encontrar sua família, soterrada após o terremoto em Izmir, na Turquia, em 30 de outubro de 2020. Na verdade, a fotografia é de um banco de imagens e já havia sido publicada em 2019. Postagens com a foto do cão receberam ao menos 17 mil compartilhamentos na rede social.

A legenda das postagens diz: “A imagem da cachorrinha que entre os escombros buscou  sua família soterrada e se pôs a latir forte e uivar alto quando os encontrou para que os socorristas viessem salvá-los. É a maior prova de amor, independente da espécie”.

Foto: Reprodução

O texto se refere a duas fotos que mostram um cão sobre os escombros de uma edificação. O animal encontra o braço de uma pessoa saindo de sob um grande pedaço de concreto, e parece uivar para atrair a atenção de socorristas. Por meio da ferramenta de monitoramento de redes sociais CrowdTangle, foi possível encontrar versões deste post em romeno, búlgaro e italiano.

Usando o mecanismo de busca reversa do Google, foi possível encontrar a origem das imagens. Elas foram postadas em janeiro de 2019 no banco de imagens iStock, por isso não podem representar o terremoto de Izmir, ocorrido em 2020. A legenda diz somente “cão procurando por feridos em meio a ruínas após terremoto”. O perfil do fotógrafo, Jaroslav Noska, possui uma série de imagens semelhantes, mas em nenhuma delas aparece alguma equipe de bombeiros ou socorristas.

O Estadão Verifica não conseguiu entrar em contato com o fotógrafo para saber as condições sob as quais as fotos foram tiradas.

Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

Tudo o que sabemos sobre:

fake news [notícias falsas]Turquia

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.