Foto de surfista detido por furar quarentena foi tirada na Costa Rica, e não em São Paulo
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Foto de surfista detido por furar quarentena foi tirada na Costa Rica, e não em São Paulo

Imagem foi tirada de contexto para criticar quarentena imposta pelo governo de São Paulo

Alessandra Monnerat

28 de abril de 2020 | 18h43

Uma foto da detenção do surfista Noe Mar McGonagle em uma praia da Costa Rica foi tirada de contexto no Facebook, com o objetivo de criticar a quarentena imposta pelo governo de São Paulo para impedir a disseminação do novo coronavírus. “Nas praias de São Paulo surfistas são algemados como bandidos. Já na cracolândia, tudo está como antes. Viva o Doria“, diz a legenda falsa da imagem, em publicação que obteve 28 mil compartilhamentos desde o dia 16 de abril.

Foto: Reprodução/Facebook

McGonagle foi detido em 28 de março, em Playa Hermosa, por ter furado as regras de quarentena na Costa Rica, como reportou a Gazeta do Povo. No Instagram, o atleta pediu desculpas e pediu que todos se animassem a ficar em casa.

O Fato ou Fake também desmentiu esse boato.

Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

 

Tudo o que sabemos sobre:

fake news [notícia falsa]coronavírus

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: