Foto de manifestação de 2016 circula fora de contexto para inflar apoio a Bolsonaro

Foto de manifestação de 2016 circula fora de contexto para inflar apoio a Bolsonaro

Imagem de protesto a favor do impeachment de Dilma Rousseff foi compartilhada como se fosse mostrasse ato em defesa do governo federal

Pedro Prata

16 de março de 2021 | 10h00

A foto antiga de uma manifestação em Brasília contra o governo da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) circula fora de contexto nas redes. A imagem foi compartilhada como se fosse atual, com o objetivo de inflar o apoio a Jair Bolsonaro nas manifestações em defesa do presidente neste domingo, 14. Este conteúdo recebeu ao menos 5,2 mil compartilhamentos no Facebook.

Foto: Reprodução

A postagem analisada contém três fotos de manifestações com a bandeira do Brasil e pessoas vestidas de verde amarelo. A legenda diz que “os conservadores estão na rua, defendendo o direito que o povo deu para o nosso presidente Bolsonaro, que não estão deixando ele governar”. Apesar de o domingo ter sido marcado por protestos pró-Bolsonaro, ao menos uma das imagens não é recente.

A foto de uma multidão ocupando as vias da Esplanada dos Ministérios, em Brasília, foi tirada pelo fotógrafo André Dusek, do Estadão, em 13 de março de 2016. Ela mostra uma manifestação contra a corrupção e a favor do impeachment da então presidente Dilma. Os participantes também manifestavam apoio ao então juiz Sergio Moro e à Operação Lava Jato.

Alguns detalhes em comum entre a foto original e a compartilhada sem contexto nas redes permitem concluir se tratar da mesma imagem. Por exemplo, um homem de camisa amarela e calça cinza no canto inferior direito; um cartaz com o escrito “água” e outro com “fora PT” no canto direito; e uma grande bandeira do Brasil bem ao centro da imagem.

Imagem original (dir.), de 2016, foi compartilhada fora de contexto (esq.) nas redes. Foto: Reprodução | André Dusek/Estadão

A postagem checada também contém duas fotos de carreatas supostamente a favor do presidente Jair Bolsonaro, mas o Estadão Verifica não conseguiu identificar a sua origem.

Em uma delas, é possível ler uma placa de trânsito com indicação para o Parque das Mangabeiras, em Belo Horizonte, e para um retorno para um Tribunal de Justiça. Uma busca no Google Maps permitiu identificar o local como a avenida Afonso Pena, altura do nº 3880, sentido praça do Papa.

Com o Google Maps foi possível localizar a imagem como sendo a avenida Afonso Pena, em Belo Horizonte. Foto: Reprodução | GoogleMaps/Reprodução

O jornal Estado de Minas informou que uma carreata em apoio ao presidente Jair Bolsonaro se reuniu neste domingo, 14, na praça do Papa, e percorreu diversos pontos da região Centro-Sul. Os apoiadores do presidente trafegaram pela avenida Afonso Pena e se dirigiram até a Praça da Liberdade, antes de ir para o centro da capital mineira.

Uma terceira foto na postagem mostra uma carreata em Campo Grande, na avenida Duque de Caxias, em frente ao Comando Militar do Oeste. Consultando o Google Maps, é possível identificar que a foto realmente foi tirada na avenida. O portal G1 noticiou uma carreata a favor do presidente no local neste domingo.

Foto viral realmente foi tirada avenida Duque de Caxias, em Campo Grande. Foto: Reprodução | GoogleMaps/Reprodução

Grupos de apoiadores do presidente Jair Bolsonaro realizaram atos públicos neste domingo, 14, para cobrar governadores, que têm determinado medidas mais duras de isolamento social em meio ao recrudescimento da pandemia de covid-19, e criticar os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). Foram feitas carreatas em algumas das principais cidades brasileiras, como São Paulo, Brasília, Salvador, Porto Alegre, Belém, Campo Grande e Belo Horizonte.

Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

Tudo o que sabemos sobre:

fake news [notícias falsas]jair bolsonaro

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.