Foto de dinheiro de Kadafi é usada para atacar PT em boato que cita ‘guerrilha’ inexistente
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Foto de dinheiro de Kadafi é usada para atacar PT em boato que cita ‘guerrilha’ inexistente

Boato circula desde 2016 e já foi desmentido várias vezes, mas voltou a circular na última semana

Alessandra Monnerat

24 de novembro de 2019 | 16h39

Não é verdade que a Polícia Federal tenha apreendido, no porto de Santos, baús de medicamentos cheios de dólares para “financiar a guerrilha armada do PT”. O vídeo que mostra caixas com o símbolo da Cruz Vermelha cheias de dinheiro faz parte de um boato antigo, que já foi desmentido por vários sites de checagem e voltou a circular no Facebook e em grupos de WhatsApp na última semana.

Na realidade, a gravação está relacionada a uma investigação conduzida pela Organização das Nações Unidas (ONU) em torno da fortuna escondida do ex-ditador da Líbia Muammar Kadafi, morto em 2011. De acordo com relatório enviado à Comissão de Segurança da entidade em junho de 2017, o dinheiro foi escondido em caixas em Accra, capital de Gana, até 2016. O caso é citado na página 293 do documento:

Documento

Imagem do relatório da ONU. Caixas foram encontradas em Gana, e não em Santos. Foto: Reprodução

O Comitê Internacional da Cruz Vermelha emitiu uma nota no início de 2018 informando que o vídeo com as caixas de dinheiro vinha circulando nas redes sociais havia pelo menos dois anos. A organização negou que tenha qualquer relação com o armazenamento ou o transporte do dinheiro e condenou de maneira enfática o uso de sua logomarca.

No ano passado, essa mesma gravação foi compartilhada com legenda que informava se tratar de uma apreensão feita pela Interpol. Na ocasião, o boato foi desmentido pela revista Veja, pelo portal G1 e pelo site Boatos.Org. No fim de 2018, a mensagem passou a citar a PF e foi checada por UOL e Aos Fatos.

Este conteúdo foi selecionado para checagem por meio da parceria entre Estadão Verifica e Facebook.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.