Foto de bebê é adulterada para incluir marcas semelhantes às de imagens de Jesus Cristo
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Foto de bebê é adulterada para incluir marcas semelhantes às de imagens de Jesus Cristo

Na realidade, fotografia é de um bebê que nasceu em 2011 e foi anunciado como o habitante de número 7 bilhões do planeta

Alessandra Monnerat

26 de agosto de 2020 | 13h57

A foto de um bebê nascido em 2011 foi alterada digitalmente para incluir machucados nas mãos e na testa, semelhantes às das imagens de Jesus Cristo. A imagem adulterada foi incluída em uma publicação com mais de 17 mil compartilhamentos no Facebook desde o dia 15 de agosto. Na realidade, a menina fotografada não tinha marcas e foi anunciada como a habitante de número 7 bilhões do planeta, nas Filipinas. 

Por meio da ferramenta de busca reversa de imagem do Google, verificamos que a foto original é de autoria de Erik de Castro, da Reuters. É possível consultar a fotografia no banco de imagens da agência. Um dos jornais a publicar o registro foi o carioca Extra.

Na publicação no Facebook, a foto ganhou uma história falsa. A legenda diz que a criança teria nascido com as mãos juntas e que, após separá-las, o médico teria ouvido o recém-nascido falar e “dar sinais da vinda de Cristo”. A postagem afirma ainda que, depois de ter feito o anúncio, o menino teria morrido. Nada disso é verdade. O bebê mostrado na foto é uma menina, Danica May Camacho, nascida em Manila, capital filipina. 

Foto original no site da Reuters, do fotógrafo Erik de Castro. Foto: Reprodução/Reuters

A Organização da Nações Unidas (ONU) anunciou o dia 31 de outubro de 2011 como a data simbólica em que a população mundial atingiria a marca de 7 bilhões. Danica nasceu um pouco antes da hora — às 23h58 do dia 30 de outubro — mas, como informou a reportagem veiculada pelo Estadão na época, os médicos consideraram que era perto suficiente para considerá-la a bebê 7 bilhões.

A menina nasceu em um hospital público lotado em Manila. De família pobre, foi recepcionada com bolo de chocolate e um vale-compras de sapatos. Outros países populosos disputaram o título do bebê número 7 bilhões. Nigéria, África do Sul, Índia e Rússia também escolheram representantes do marco comemorativo.

Em 2015, o site americano de fact checking Snopes.com desmentiu um boato que usava a mesma foto editada. Na ocasião, a imagem se espalhou como sendo de um bebê miraculoso nascido nas Filipinas, de nome Jejomar Castillo. Mais recentemente, AFP e Polígrafo (Portugal) também checaram a foto adulterada de Danica Camacho.

Em 2011, o site E-Farsas também desbancou uma história de um bebê que teria nascido com as mãos coladas e anunciado a vinda de Cristo. As fotos usadas nesse boato eram diferentes, e a criança seria de Itaguaí, no Rio de Janeiro.

Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

Tudo o que sabemos sobre:

jesus cristofake news [notícia falsa]

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: