Foto de ato pró-governo de março é compartilhada como se fosse recente
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Foto de ato pró-governo de março é compartilhada como se fosse recente

Postagem que viralizou no Facebook utiliza imagem para argumentar que Bolsonaro não perdeu apoio popular; na data, País ainda não tinha registrado mortes por covid-19

Alessandra Monnerat

23 de junho de 2020 | 17h38

A foto de uma manifestação pró-governo do dia 15 de março voltou a ser compartilhada no Facebook como se fosse recente. Posts na rede social utilizam a imagem para argumentar que o presidente Jair Bolsonaro não perdeu apoio popular. O crédito é do fotógrafo Sérgio Lima, da agência AFP. A foto foi publicada no jornal Gazeta do Povo e no site americano Vox.

Neste domingo, 21, Brasília recebeu atos contrários e favoráveis ao governo, com dezenas de participantes. O trânsito de veículos estava proibido em frente à Esplanada dos Ministérios no domingo — portanto, não seria possível organizar uma carreata como a mostrada na foto tirada de contexto.

No dia em que a foto foi tirada, o País ainda não tinha registro de óbitos por covid-19. Eram 200 pessoas infectadas. Nesta terça-feira, 23, o Brasil contabiliza 1.113.606 casos e 51.406 mortos.

A última pesquisa de avaliação do governo do Datafolha apontou que o índice de reprovação a Bolsonaro subiu de 38% a 43% entre 27 de abril e 26 de maio. A porcentagem de pessoas entrevistadas que considera o governo ótimo ou bom permaneceu a mesma: 33%.

As entrevistas para estes últimos levantamentos foram realizadas por telefone para evitar o contato pessoal, em razão da pandemia do novo coronavírus. Pesquisa Datafolha divulgada em dezembro de 2019, que utilizava metodologia distinta, apontava índice de reprovação de 36%. A porcentagem de aprovação ao governo era de 30%.

Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.