Foto antiga de protestos é utilizada para simular apoio ao presidente derrotado Donald Trump

Foto antiga de protestos é utilizada para simular apoio ao presidente derrotado Donald Trump

Imagem de 2018 circula fora de contexto para dar gás a falsas alegações de que o republicano teria vencido as eleições presidenciais

Pedro Prata

16 de dezembro de 2020 | 18h31

A foto de um protesto anti-armas em 2018, organizado em Washington, nos Estados Unidos, tem sido compartilhada fora de contexto nas redes sociais para dar gás a falsas alegações de que Donald Trump teria sido o vencedor das eleições presidenciais norte-americanas em 2020. Um leitor solicitou a checagem deste conteúdo pelo WhatsApp do Estadão Verifica, (11) 97683-7490.

A foto mostra uma multidão de pessoas. As postagens com a falsa alegação dizem que “milhares de norte-americanos das mais variadas raças, origens e localidades, cercam o prédio da Suprema Corte, na capital do país, Washington D.C., pressionando por um resultado justo. Detalhe: todos armados.”

Imagem é de 2018 e mostra protesto anti-armas. Foto: Reprodução

O mecanismo de busca reversa do Google permite identificar outras vezes em que esta foto foi publicada. Ela está no banco de imagens Getty Image e foi clicada por Shannon Finney, em 24 de março de 2018.

Ela mostra o protesto, em Washington, da Marcha Pelas Nossas Vidas, organizada para pedir mais segurança nas escolas e regulação contra a violência causada por armas. Os protestos foram organizados em diversas cidades de forma simultânea após um atentado a tiros na escola Marjory Stoneman Douglas em Parkland, na Flórida.

O atual presidente Donald Trump perdeu a disputa pela reeleição para o democrata Joe Biden e deve deixar a Casa Branca em 20 de janeiro de 2021. Ele alega falsamente que houve fraudes generalizadas, mas não apresentou provas e teve ações judiciais negadas. Nesta segunda-feira, 14, o Colégio Eleitoral confirmou a vitória de Biden pelo mesmo placar obtido na eleição popular: 306 a 332.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.