É falso tuíte atribuído a Augusto Heleno com ofensas a ex-ministros de Bolsonaro

É falso tuíte atribuído a Augusto Heleno com ofensas a ex-ministros de Bolsonaro

Publicação viralizou ao utilizar imagem e nome do ministro do Gabinete de Segurança Institucional

Pedro Prata

28 de julho de 2020 | 14h15

Um boato que viralizou no Facebook inventa tuíte que teria sido feito pelo ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno. Na imagem, ele parece criticar ministros que deixaram o governo de Jair Bolsonaro (sem partido), mas a conta no Twitter não é dele. O Estadão Verifica checou este conteúdo após receber 2,4 mil compartilhamentos e ser visto 53,8 mil vezes em 24h na rede social.

O tuíte chama os ex-ministros de “canalhas frouxos” que “não aguentam porrada da mídia suja”. No entanto, a conta que o teria publicado é “gen_helleno”, ao passo que a conta oficial do ministro é “gen_heleno”. A foto de perfil reproduzida no boato é a mesma da conta verdadeira, que possui o selo de autenticação do Twitter.

O Estadão Verifica buscou o tuíte no perfil oficial, mas não o encontrou. Também tentamos acessar a conta falsa, mas ela não existe mais.

Tuíte não foi feito pela conta oficial do ministro do GSI. Foto: Reprodução

O governo Bolsonaro realizou 13 mudanças em seu quadro de ministros nos primeiros 18 meses de gestão. Ele trocou os ministros Henrique Mandetta e Nelson Teich, da Saúde, em plena pandemia de covid-19. Já o ex-juiz da Lava Jato Sérgio Moro, considerado um dos pilares de seu governo e da bandeira anticorrupção, pediu demissão da Justiça e Segurança Pública acusando-o de tentar interferir politicamente na Polícia Federal.

General da reserva, Augusto Heleno comandou as forças de paz da Organização das Nações Unidas (ONU) no Haiti de 30 de maio de 2004 a 31 de agosto de 2005. Também foi comandante militar da Amazônia até 2007. Ele é um dos sete egressos das Forças Armadas atualmente no comando de pastas no governo federal. Um dos aliados mais importantes de Bolsonaro, esteve ao lado do presidente desde a campanha eleitoral.

Esta não é a primeira vez que Augusto Heleno é alvo de boatos. Em abril, um perfil se utilizou do seu nome e de sua imagem para dizer que Bolsonaro havia sido infectado pelo novo coronavírus. O general da reserva testou positivo para covid-19 em março, enquanto que o presidente só seria diagnosticado com a doença em 7 de julho.

Este conteúdo também foi checado por Boatos.org.

Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.