É falso que Trump tenha cancelado ID2020, programa de identidade digital apoiado pela Microsoft
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

É falso que Trump tenha cancelado ID2020, programa de identidade digital apoiado pela Microsoft

Ao contrário do que afirma texto no Facebook, projeto de identidade digital não tem como objetivo implantação de microchips na população

Alessandra Monnerat

10 de dezembro de 2020 | 18h06

É falso que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, tenha cancelado o projeto de identidade digital ID2020. Também não é verdade que esse consórcio público-privado, ligado a empresas como Microsoft e Accenture, tenha como objetivo a implantação de microchips na população. Em geral, a ID2020 oferece soluções de identidade digital com uso de telefones celulares. 

A alegação falsa foi compartilhada em postagens no Facebook mais de 1,3 mil vezes. As publicações na rede social atacam o fundador da Microsoft, Bill Gates, e contém diversas informações falsas. O texto circulou em maio e junho em inglês e espanhol, e foi desmentido pelas agências de checagem Politifact, FactCheck.Org, Africa Check, AFP Factual e AP Verifica

A ID2020 não foi “cancelada” — o site da organização é aberto a convites de parceria e ao envio de projetos. Trump não fez qualquer menção ao programa de identidade digital em seus discursos ou em seu Twitter.

Como já havia mostrado esta checagem publicada em abril, produzida em parceria com o Projeto Comprova, a Aliança ID2020 é um projeto anunciado em 2017 pelas empresas Accenture e Microsoft. Lançada como um consórcio público-privado em parceria com a Organização das Nações Unidas (ONU), a iniciativa busca atender o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável para 2030 de fornecimento de identidade legal a toda a população mundial. 

De acordo com uma estimativa divulgada pela Microsoft em 2018, uma em cada seis pessoas no mundo não tinha qualquer forma de identificação oficial, dificultando o acesso a direitos humanos básicos, como saúde, habitação e educação.

Em abril, por e-mail, a ID2020 informou ao Comprova que o consórcio público-privado trabalha com ações de financiamento e suporte técnico de organizações não-governamentais, corporações e governos. O objetivo é ajudar a implementar soluções de identidade digital, sem qualquer relação com a implantação de microchips nas pessoas.

“Tipicamente, a identidade digital depende de telefones celulares como forma de autenticar a identidade do usuário”, afirmou a ID2020. “Os dados do usuário geralmente são armazenados em uma base de dados descentralizada, para garantir o máximo de privacidade e controle sobre as informações pessoais”.

Trump cancelou projeto de lei para monitoramento de contatos de covid-19?

O texto compartilhado no Facebook afirma ainda que Trump cancelou o projeto de lei H.R.6666. O texto propõe que o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos financie a testagem e o rastreamento de contatos de pessoas que tiveram covid-19 como forma de combater a doença provocada pelo novo coronavírus. 

Como presidente, Trump não tem o poder de barrar um projeto de lei proposto pelo legislativo americano. Ele pode vetar trechos da lei, se o texto for levado a sanção presidencial. No entanto, a matéria ainda não foi votada pela Câmara dos Deputados dos EUA.

Trump proibiu a tecnologia 5G nos EUA?

Outra informação falsa compartilhada no texto é a de que Donald Trump teria “parado o lançamento do 5G” nos Estados Unidos. Na verdade, o presidente barrou a participação da empresa chinesa Huawei — Trump acusou a companhia de espionar dados de usuários e proibiu o investimento de cidadãos americanos na gigante de tecnologia.

O Departamento de Estado dos EUA lançou uma aliança chamada Clean Network para pressionar aliados a excluir a Huawei de redes 5G. O Brasil já acenou sua participação.

O 5G é uma tecnologia de rede móvel, a quinta geração de conexão para celulares. A velocidade de download é 10 vezes maior que o máximo possível no 4G.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.