Boato contra STF mostra falso ‘privilégio’ de Lula na prisão
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Boato contra STF mostra falso ‘privilégio’ de Lula na prisão

Post utiliza foto de visita do Conselho Nacional de Direitos Humanos para induzir leitores a acreditar que Corte liberou 'gabinete' para petista

Brenda Zacharias, especial para o Estado

24 de setembro de 2019 | 09h31

É falsa uma publicação no Facebook que alega que o Supremo Tribunal Federal (STF) teria disponibilizado um gabinete para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva “despachar” da sede da Polícia Federal em Curitiba (PR), onde ele está preso desde abril de 2018. O post enganoso é ilustrado por uma foto do político acompanhado de outras cinco pessoas.

O ex-presidente Lula com integrantes da Conselho Nacional do Direitos Humanos. Foto: CNDH / Divulgação

O conteúdo foi compartilhado no dia seguinte à data em que a foto foi tirada, 17 de setembro de 2019. A imagem foi feita durante uma reunião de Lula com advogados e membros do Conselho Nacional de Direitos Humanos (CNDH) em uma sala da Superintendência da Polícia Federal em Curitiba. O encontro foi solicitado pelo próprio conselho e autorizado pela juíza Carolina Lebbos, responsável pela 12ª Vara Federal de Curitiba.

Aparecem na foto os advogados de Lula, Valeska Martins e Cristiano Zanin Martins, sentados ao lado do ex-presidente. O CNDH está representado pelos conselheiros Leonardo Pinho, da Central de Cooperativas e Empreendimentos Solidários (Unisol Brasil), Leandro Scalabrin, da Associação Nacional dos Atingidos por Barragens (ANAB), e Ismael César, da Central Única dos Trabalhadores (CUT).

Em nota, o conselho afirma que na reunião foi colhido o depoimento do ex-presidente acerca da denúncia de “seletividade, discriminação e violações de direitos humanos e princípios constitucionais pela justiça brasileira” no processo que levou à prisão de Lula. A denúncia teve como base a divulgação de mensagens da força-tarefa da Lava Jato pelo site The Intercept Brasil.

Após o depoimento de Lula, os relatores também visitaram a cela onde o ex-presidente está preso.

Esta entrevista faz parte de um relatório que o CNDH prepara sobre a prisão de Lula, que deve ser publicado até o final deste ano. O órgão também pretende ouvir o ministro da Justiça, Sergio Moro, o procurador da República Deltan Dallagnol e o jornalista Glenn Greenwald, um dos fundadores do The Intercept.

O CNDH é um órgão independente criado em 1964 cuja função é promover e defender os direitos humanos no Brasil. É composto por 11 representantes da sociedade civil e 11 do poder público, incluindo Ministério dos Direitos Humanos, Polícia Federal e Câmara dos Deputados.

Também procurado pela reportagem, o STF negou, em nota, que a Corte tenha atendido a qualquer solicitação de gabinete feita pelo ex-presidente.

Este conteúdo foi selecionado para verificação por meio da parceria entre o Estadão Verifica e o Facebook. O Aos Fatos também desmentiu este boato. Para sugerir verificações, envie uma mensagem para (11) 99263-7900.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.