É falso que Silvio Santos tenha chamado quem não apoia Bolsonaro de ‘mau-caráter’

É falso que Silvio Santos tenha chamado quem não apoia Bolsonaro de ‘mau-caráter’

SBT negou que apresentador tenha dito frase que circula nas redes sociais; não há registro de declaração semelhante dele

Júnior Moreira Bordalo, especial para o Estadão

26 de julho de 2021 | 13h57

É falso que o apresentador de TV Silvio Santos tenha dito que “só tem dois tipos de gente que não apoia Bolsonaro: o mal informado e o mau carater (sic)”. A frase tem sido compartilhada em grupos governistas no Facebook, mas não há registro que o dono do SBT tenha dito isso. A assessoria da emissora negou que Silvio seja o autor da declaração.

“Verificamos nos programas Silvio Santos e não encontramos esta frase dita por ele”, informou o SBT. O apresentador não possui perfis públicos nas redes sociais e não há registros de entrevistas em que ele tenha emitido essa opinião.

Silvio Santos não chamou de mau caráter quem não apoia Bolsonaro

Um dos filhos do presidente, o senador Flávio Bolsonaro (Patriota), publicou uma frase similar em seu perfil do Facebook em 2017: “Só dois tipos de pessoa defendem o desarmamento: o mal informado ou o mau-caráter!”. Na ocasião, ele citava um trecho de uma entrevista de Benedito Gomes Barbosa Jr para o canal no YouTube de Nando Moura.

Em março deste ano, o presidente Jair Bolsonaro usou um discurso semelhante ao conversar com apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada. Ele xingou quem cobrava o governo pela falta de vacinas contra a covid-19. “Daí o cara fala ‘quero vacina, cadê a vacina’? Ou o cara é mal-intencionado, mau-caráter ou é imbecil. Ele não consegue acompanhar, impressionante”, disse.

 Na semana passada, o Estadão Verifica desmentiu outra postagem envolvendo o dono do SBT. Uma postagem no Facebook alegava que o apresentador tinha dito que “se o brasileiro mantiver a esquerda longe do poder por uns 20 anos, o Brasil será uma das nações mais prósperas do mundo”. Esse boato circulou inicialmente em novembro de 2020, mês das eleições municipais, mas voltou a viralizar recentemente.


Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

Tudo o que sabemos sobre:

silvio santosfake news [notícia falsa]

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.