É falso que Lula tenha dito que compra votos de nordestinos com um ‘grão de arroz’
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

É falso que Lula tenha dito que compra votos de nordestinos com um ‘grão de arroz’

Postagem que viralizou no Facebook inventa que ex-presidente teria falado sobre facilidade de comprar votos no Nordeste

Ana Carolina Santos

08 de junho de 2021 | 15h54

É falso que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tenha feito declarações sobre compra de voto de pessoas da região Nordeste. No Facebook, circula um meme que diz que o petista teria falado “basta colocar um grão de arroz na mesa do nordestino que ele vota em você” e “com dez reais eu compro um baiano”. No entanto, não há registros na imprensa de que o ex-presidente tenha dito isso. Além disso, a assessoria de imprensa do Instituto Lula negou a autoria das frases. A peça de desinformação foi compartilhada mais de 14 mil vezes na rede social.

Ambas as frases circulam em boatos na internet há alguns anos. Em meados de 2015, Lula participou de um seminário, e um blog (que atualmente está fora do ar) publicou que o ex-presidente teria dito o seguinte: “Os pastores ‘mete’ o pau na gente, mas os fiéis deles votam na gente, nem na Bíblia a gente acredita e eles ‘vota’ em nós. Tudo por causa de um grão de arroz na mesa.” Mas Lula não disse isso, como mostrou a Agência Lupa em verificação de novembro 2019.

No seminário em questão, Lula disse que os pastores evangélicos “jogam a culpa (de tudo) em cima do diabo.” “Você está desempregado é o diabo, está doente é o diabo, tomou um tombo é o diabo, roubaram o seu carro é o diabo”, declarou. Lula continua: “Não tem nem investigação. É direto. O culpado está ali. É a teoria do domínio do fato.” O Estadão cobriu o evento.

A segunda frase, sobre baianos, também circula em boatos antigos. O Estadão Verifica checou a fala em julho de 2019. Em entrevista à Rádio Metrópole, de Salvador (BA), em agosto de 2017, Lula afirmou que, a fim de recuperar a economia, é necessário que haja estímulo ao consumo: “Você dá R$ 10 para o pobre, ele vira consumidor. Você dá R$ 10 milhões para o rico, ele deixa na conta bancária.” Em nenhum momento o ex-presidente disse “com 10 reais eu compro um baiano”.

A peça de desinformação surgiu com um vídeo manipulado, de apenas de 45 segundos. Ele foi recortado de uma entrevista de mais de 47 minutos. A fala de Lula tirada de contexto é dita perto da marca de 46 minutos (vídeo abaixo).

O conteúdo também foi checado pela agência de checagem Aos Fatos.


Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

Tudo o que sabemos sobre:

lulaptfake news [notícia falsa]

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.