É falsa campanha para libertar mulher que matou marido por abusar sexualmente de bebê no México
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

É falsa campanha para libertar mulher que matou marido por abusar sexualmente de bebê no México

Procuradoria de Justiça de Estado de Baja California desmentiu boato, que circula desde 2017 nas redes sociais

Aramis Merkis II, especial para o Estado

29 de maio de 2019 | 17h30

Procuradoria de Bajo California desmentiu história no Facebook. Foto: Reprodução/Facebook

Um texto no Facebook sobre a detenção de uma mulher que esfaqueou o marido por abusar sexualmente da filha de dois meses na cidade de Tijuana, no México, é falso e circula pelo menos desde 2017 nas redes sociais. A história já foi desmentida pela Procuradoria de Justiça de Estado de Baja California, província em que o assassinato teria ocorrido.

A página do Facebook do órgão de Justiça postou uma imagem da desinformação em espanhol com a seguinte legenda: “esta história de uma mulher supostamente detida pela Procuradoria de Baja California é falsa. Evite compartilhar”.

O falso relato circula há pelo menos dois anos em espanhol. Em português, a postagem mais antiga encontrada sobre o caso é, curiosamente, do mesmo dia em que a procuradoria publicou que a notícia era falsa. Desde então o conteúdo é replicado nas redes sociais. Algumas postagens sobre o assunto, como da página “Admiradores do Padre Fabio de Melo”, foram compartilhadas mais de 73 mil vezes.

A imagem que acompanha o boato, já usada na versão mexicana, é de uma mulher algemada cercada por duas policiais. A foto circula na internet desde 2012 e é relacionada a uma detenção relacionada ao tráfico de drogas no Peru.

O boato que viralizou fala de uma mãe que, ao flagrar o parceiro abusando sexualmente da filha deles, castra o homem e o atinge com 15 facadas. A mensagem diz que os familiares da mulher estão em campanha para que ela seja libertada usa a frase “eu teria feito o mesmo pelos meus filhos”.

Este conteúdo foi selecionado para checagem por meio da parceria entre Estadão Verifica e Facebook (saiba mais aqui).

Tudo o que sabemos sobre:

méxicofake newsabuso sexual

Tendências: