É de fevereiro foto da reunião de Trump com personalidades negras
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

É de fevereiro foto da reunião de Trump com personalidades negras

Imagem é compartilhada fora de contexto para simular apoio às vésperas das eleições presidenciais

Pedro Prata

16 de outubro de 2020 | 16h30

É de fevereiro uma foto que mostra personalidades norte-americanas negras em reunião com o presidente Donald Trump. A imagem viralizou fora de contexto no Facebook: postagens afirmam que, no dia 13 de outubro, “evangélicos negros rezaram pela vitória de Donald Trump”. Este conteúdo foi compartilhado pelo menos 34,7 mil vezes.

Foto é de fevereiro. Foto: Reprodução

“Faltam exatamente 3 semanas para as eleições nos EUA”, reforça a postagem. Apesar disso, o Estadão Verifica identificou a foto no banco de imagens Getty Images em 27 de fevereiro deste ano. Ela foi clicada pelo fotógrafo Nicholas Kamm.

Evento ocorreu na Casa Branca, em fevereiro. Foto: Getty Images/Reprodução

A legenda da foto original informa: “Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em meio a um círculo de orações durante encontro com líderes afro-americanos na Casa Branca, em Washington, D.C., em 27 de fevereiro de 2020”. O evento foi promovido para marcar o mês da História Negra dos Estados Unidos. Entre os participantes havia lideranças sociais, religiosas e funcionários da Casa Branca. Em sua maioria eram apoiadores abertos de Trump, como o comediante Terrence K. Williams.

Em outras fotos do mesmo evento, há informações de que Trump teria falado de políticas econômicas para a comunidade negra durante sua administração, sobre o sistema de Justiça e sobre sua gestão da crise causada pelo novo coronavírus. Também não faltaram ataques à imprensa. O discurso de Trump foi disponibilizado na íntegra pela Casa Branca.

Ao final da reunião, todos se juntaram para fazer uma prece pelo presidente: “Deus, em nome de Jesus nós lhe agradecemos por estar aqui segurando no braço do presidente. Um presidente que apoia não só os negros, mas todos os americanos. Nós pedimos que ele tenha saúde e força. Agradecemos pela sua força em protegê-lo e proteger sua família. E agradecemos pelo que você já fez e pelo que ainda vai fazer por meio desse vassalo.”

Religiosos negros rezaram por Trump em 13 de outubro?

O Estadão Verifica buscou notícias que falassem de outro encontro de lideranças negras com o presidente Donald Trump em 13 de outubro, mas não encontrou nenhum indício de isso que tenha ocorrido.

Naquele dia, a rede de notícias inglesa BBC publicou a reportagem “Eleições nos EUA: Os evangélicos africanos que rezam pela vitória de Trump”. O texto fala de lideranças cristãs em países como Nigéria e Quênia que simpatizam com o posicionamento conservador de Trump. Segundo a notícia, tais lideranças se incomodavam, durante a gestão Obama, com o apoio do governo norte-americano dado a ONGs e instituições que atuam no continente africano, com iniciativas para entrega de contraceptivos a mulheres e a realização de abortos seguros.

Nos Estados Unidos, Donald Trump enfrenta altos índices de rejeição entre a população negra. O país já observa longas filas para votar de forma antecipada e a presença da comunidade afro-americana é grande.

A discussão sobre o racismo ganhou papel central no pleito eleitoral este ano após a morte de George Floyd e os protestos do movimento Black Lives Matter (Vidas Negras Importam, em tradução livre). No único debate em rede nacional até o momento, Trump foi duramente criticado por não condenar grupos de supremacistas brancos.

Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.