Deep fakes: evento aberto ao público debate vídeos manipulados com inteligência artificial
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Deep fakes: evento aberto ao público debate vídeos manipulados com inteligência artificial

Discussão em São Paulo vai abordar possíveis consequências de uso de tecnologia para produzir conteúdo falso

Alessandra Monnerat

24 de julho de 2019 | 17h59

Deep fake de Zuckerberg mostra ele falando que rouba e controla dados das pessoas Foto: Bruno Romani/Reprodução

Os chamados deep fakes, vídeos manipulados com uso de inteligência artificial, serão tema de debate em São Paulo nesta quinta-feira, 25. O objetivo é discutir quais os possíveis impactos do uso de tecnologia para produzir conteúdo falso que parece real. 

A inteligência artificial disponível hoje já permite a fabricação de vídeos que enganam muita gente. No início do mês, por exemplo, uma dupla de artistas produziu um clipe falso em que o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, diz que controla os dados e o futuro de bilhões de pessoas. O vídeo foi feito para alertar sobre a política da rede social de não remover deep fakes da plataforma.

E a tecnologia não precisa ser muito sofisticada para criar conteúdo enganoso. Também no início de junho, viralizou nos Estados Unidos um vídeo em que Nancy Pelosi, presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, parecia estar bêbada. O conteúdo, no entanto, havia sido editado para parecer que ela estava falando mais devagar, arrastando algumas palavras.

A difusão de vídeos e áudios manipulados como esses tem causado preocupação. Por isso, a organização internacional Witness tem promovido atividades de educação sobre o assunto. “O Brasil, como muitos outros países, já experimentou áudio e vídeo compartilhados para confundir, dividir e enganar. É fundamental que o Brasil faça parte da discussão global sobre soluções”, diz o gerente de projetos da Witness, Sam Gregory.

Além de Gregory, participam do debate Anderson Soares, professor da UNICAMP e especialista em ‘media forensic’; Joana Varon, fundadora da Coding Rights; e Lana de Souza, jornalista e co-fundadora do Coletivo Papo Reto. O debate será mediado por Taís Seibt, jornalista, professora e pesquisadora de desinformação e checagem de fatos.

O debate vai ocorrer às 19h no auditório da biblioteca Mário de Andrade, com distribuição de senhas às 18h. A entrada é gratuita.

Tendências: