Coronavírus já está até no Vaticano, mas papa Francisco não foi infectado
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Coronavírus já está até no Vaticano, mas papa Francisco não foi infectado

A cidade do Vaticano anunciou primeiro caso de coronavírus nesta sexta-feira, 6

Alessandra Monnerat

06 de março de 2020 | 18h38

Não é verdade que o papa Francisco tenha sido infectado com o novo coronavírus, como sugerem publicações nas redes sociais. O pontífice, que tem desmarcado compromissos por causa de um resfriado, já foi testado negativo para a doença, de acordo com um jornal italiano. Nesta sexta-feira, 6, o Vaticano confirmou seu primeiro caso de coronavírus, mas ainda não comunicou se o paciente é funcionário da Igreja.

A Santa Sé informou que o papa sofre de um resfriado “sem sintomas relacionados a outras patologias”. Francisco está há uma semana sem sair da Casa Santa Marta, onde reside. O papa tem 83 anos e perdeu um dos pulmões durante a juventude, devido a uma doença respiratória. Na quinta-feira, 5, o diretor da Sala de Imprensa do Vaticano disse à agência Ansa que Francisco estava melhorando.

Papa Francisco é visto tossindo durante pronunciamento na manhã deste domingo, 1º, enquanto a Itália sofre com surto de coronavírus Foto: AP Photo/Andrew Medichini

O primeiro paciente com coronavírus no Vaticano foi atendido no serviço de saúde da cidade-estado. Depois do diagnóstico, as clínicas foram fechadas para higienização. Uma fonte do Vaticano informou à agência de notícias Reuters que a pessoa infectada participou de uma conferência lotada da Pontifícia Academia para a Vida. Os participantes do evento foram informados do caso.

A Itália é um dos países mais atingidos pela epidemia do novo coronavírus. Até esta sexta-feira, 6, eram 4.636 casos, com 197 mortes. No Brasil, são 13 casos. Acompanhe a cobertura em tempo real sobre o assunto.  /COM INFORMAÇÕES DE AP E REUTERS

Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

Tudo o que sabemos sobre:

coronavíruspapa franciscoVaticano

Tendências: