Como foi a segunda fase do projeto Comprova
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Como foi a segunda fase do projeto Comprova

Por seis meses, coalizão de 24 veículos desmentiu narrativas sobre políticas públicas federais

Sérgio Lüdtke, editor do Comprova

18 de dezembro de 2019 | 16h11

O projeto Comprova foi criado para verificar a veracidade de conteúdos suspeitos que viralizavam nas redes sociais durante as eleições presidenciais de 2018. Por três meses, jornalistas de 24 veículos de comunicação monitoraram redes sociais e aplicativos de mensagens para localizar e checar informações duvidosas relacionadas ao pleito.

Em 2019, o projeto voltou a reunir as 24 organizações e por cinco meses, de 15 de julho a 15 de de dezembro, colocou sua atenção em conteúdos duvidosos relacionados a políticas públicas no âmbito do governo federal.

Lidar com o WhatsApp é um desafio, diz editor do Comprova. Ilustração: Gary Neill/Crosscheck International

Como os temas associados a políticas públicas são complexos e o ambiente político continuou tensionado após as eleições, o Comprova optou por fazer nesta segunda fase um jornalismo mais explicativo, agregando mais contexto às suas verificações.

As checagens em 2019 foram também mais complexas. As apurações exigiram mais tempo e esforço e demandaram narrativas mais atraentes. Nossas reportagens deveriam ser capazes de competir com as informações suspeitas, principalmente quando os conteúdos se mostraram falsos ou enganosos, com potencial de causar danos à sociedade.

Optamos por publicar verificações ainda mais transparentes, convidando os leitores para refazer os caminhos das investigações e compartilhamos com eles todos os materiais reunidos pelas apurações.

Outro ponto que se mostrou fundamental para validar nossas conclusões nessa segunda fase do Comprova foi a busca obsessiva pelas fontes originais, pela primeira publicação do conteúdo investigado. Determinar a primeira vez em que um conteúdo foi a público permite traçar o caminho completo percorrido por uma informação e localizar os pontos em que ela foi ganhando tração nas redes ou quando mudou o contexto original.

Inquirir essas fontes fez também com que pudéssemos, em alguns casos, provocar a publicação de desmentidos e erratas ou, no limite, fazer com que os perfis, páginas ou grupos apagassem os conteúdos falsos que haviam publicado.

Em cinco meses de trabalho, foram produzidas 77 reportagens que, multiplicadas pelas publicações em cada um dos veículos que fizeram parte da coalizão, se transformaram em ao menos 520 artigos.

Todas essas verificações foram feitas colaborativamente por jornalistas de distintos veículos e checadas por ao menos outros três meios de comunicação para que estivessem aptas para publicação. O Comprova também preparou alguns estudos de caso para mostrar como foram feitas as verificações.

No encerramento desta segunda fase do Comprova, gostaríamos de nominar as equipes de investigação e de apoio que trabalharam durante os cinco meses do projeto.

Equipe de Redação

Alessandra Monnerat

Amanda Miranda

Ana Carolina Santos

Bernardo Barbosa

Bianca Giacomazzi

Camila Caroline Cecilio

Carlos Mazza

Cecília Sorgine

Cido Coelho

Cinthia Macedo

Clara Cerioni

Clarissa Pacheco

Eric Raupp

Gabriel Ruggiero (estagiário)

Geraldo Campos Jr

Giordano Moreira Pienegonda (estagiário)

Helio Miguel Filho

Isabel Marquezan

José Antonio Lima

João Pedro Caleiro

Karla Torralba

Larissa Neumann

Lucas Jozino

Mahila Ames de Lara

Marcel Hartmann

Maria Clara Pestre

Marina Cid

Mariana Vick

Paulo Roberto Netto

Renata Galf

Romulo Tesi

Sérgio Lüdtke

Tiago Aguiar

Vanessa Selicani

Equipe de gestão

Adriana Garcia

Adriana Miziunas

Pedro Noel (First Draft)

Tudo o que sabemos sobre:

projeto comprovafake news [notícia falsa]

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: