Frase sobre armas e religião não é de Clint Eastwood

Frase sobre armas e religião não é de Clint Eastwood

Texto circula em memes na internet pelo menos desde 2016, sem referência ao nome do ator e diretor americano

Clarissa Pacheco

02 de janeiro de 2022 | 16h49

Uma publicação no Facebook atribui falsamente uma frase sobre armas e religião ao ator e diretor americano Clint Eastwood, de 91 anos. Exceto em memes que circulam na internet desde 2019, a citação não aparece em fontes confiáveis como sendo da autoria do cineasta. Além disso, outras checagens de agências internacionais já descartaram que ele seja o autor das palavras.

Embora o post tenha sido publicado em um perfil do Facebook no Brasil no último dia 26 de dezembro — onde soma pouco mais de 1.300 interações — esta não é a primeira vez que a citação é atribuída a Eastwood. No post mais recente, junto com uma foto do americano, aparece a frase: “Não, o problema não são as armas! São corações sem Deus, lares sem disciplina, escolas sem orações e tribunais sem justiça”.

A postagem no Facebook mais antiga encontrada pelo Estadão Verifica relacionando a frase, em inglês, à imagem de Eastwood é de 5 de agosto de 2019. A publicação foi feita por Ken Blackwell, um ex-político republicano, eleito prefeito de Cincinatti em 1979 e, atualmente, membro do conselho da National Rifle Association (NRA). A organização americana se define como patriota e “diligente protetora da Segunda Emenda” – que estabelece o direito da população dos Estados Unidos de portar armas.

Meme circula no Facebook com frase relacionada à imagem de Clint Eastwood pelo menos desde 2019

Isto não significa que Ken Blackwell seja o autor da frase. Em 4 de maio de 2018, durante a convenção da NRA em Dallas, o governador do Estado do Texas, Greg Abott, disse parte da frase em um discurso para cerca de 5 mil pessoas. Segundo publicação do jornal Texas Observer, ele disse que a religião e a Segunda Emenda são as melhores maneiras de se conter a violência armada e os tiroteios em massa:

“A resposta à violência armada não é tirar as armas, a resposta é fortalecer os direitos da Segunda Emenda dos cidadãos que cumprem a lei”, disse Abbott durante seu breve discurso para cerca de 5.000 entusiastas de armas de fogo. “O problema não são as armas, são os corações sem Deus”, diz trecho do Texas Observer.

Mesmo antes disso, a frase já circulava em postagens na internet. O Verifica localizou posts com a citação em inglês pelo menos desde 2016, e em nenhuma delas há uma atribuição de autoria da frase — nem a Greg Abott, nem a Ken Blackwell ou mesmo a Clint Eastwood. O trecho também é usado em camisas vendidas na Amazon ao menos desde 2018, também sem autoria atribuída.

Frase usada após tiroteio

Em maio de 2018, a frase – ou, pelo menos, parte dela – foi compartilhada em postagens nas redes sociais logo após um adolescente de 17 anos matar a tiros oito estudantes e dois professores em uma escola de ensino médio no Texas, em maio de 2018. O estudante escondeu um revólver e uma espingarda em um sobretudo e abriu fogo durante uma aula de artes em uma escola em Parkland, cidade próxima de Houston, nos EUA.

Segundo o The Guardian, o chefe de polícia de Houston, Art Acevedo, publicou em seu perfil no Facebook um pedido para que as pessoas não escrevessem nada sobre armas não serem o problema. Ele criticou as autoridades que “correram para as câmeras”, pediram por orações, mas que “mais uma vez não farão absolutamente nada”.

O jornal britânico também fez referência à fala do governador do Texas, sobre o problema serem os “corações sem Deus”.

Clint Eastwood e armas

O ator e diretor americano Clint Eastwood é conhecido por ser um entusiasta de armas, que aparecem, inclusive, em muitos de seus filmes.

Em 2012, quando recebeu uma medalha por sua carreira no cinema durante o bicentenário do Museu Nacional Smithsonian, em Washington, passou boa parte do discurso falando sobre armas, e sobre como gostava de atirar.


Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.