Capa falsa da ‘The Economist’ sobre Lula volta a circular nas redes sociais
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Capa falsa da ‘The Economist’ sobre Lula volta a circular nas redes sociais

Montagem antiga da revista britânica afirma que petista é o ‘ex-presidente mais corrupto do mundo’

Paulo Roberto Netto

22 de abril de 2019 | 10h48

Lula. Foto: AP Photo/Andre Penner

Uma capa falsa da revista britânica The Economist voltou a circular nas redes sociais apontando o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como “o mais corrupto do mundo”. A montagem é antiga e foi enviada por leitores ao WhatsApp do Estadão Verifica (11-99263-7900).

A imagem afirma que Lula foi considerado o “ex-presidente mais corrupto do mundo”, um “lobo em pele de cordeiro” e “o presidente que quebrou uma nação”. A data informa que a publicação foi divulgada no dia 20 de agosto de 2017.

Na primeira vez que a montagem circulou, o texto que acompanhava a imagem dizia que a análise teria vindo de um suposto analista jurídico chamado Bronwen Chester. Além de Lula, também figuravam no “ranking” da The Economist os ex-governantes Alberto Fujimori (Peru), Mohamed Suharto (Indonésia) e Ferdinand Marcos (Filipinas).

O Estadão Verifica não localizou nenhuma reportagem feita pela The Economist sobre suposto ranking de ex-presidentes corruptos nos arquivos da revista. As últimas notícias publicadas sobre Lula dizem respeito à sua prisão e seus desdobramentos na política brasileira.

A última capa da The Economist destacando o Brasil foi a de 22 de setembro de 2018, sobre o perfil do então candidato à Presidência Jair Bolsonaro. Antes, o País havia figurado três vezes na capa em 2016: em janeiro, sobre a crise econômica na gestão Dilma Rousseff, em março, após o impeachment da petista, e em abril, novamente sobre a economia brasileira. Essas duas últimas, aliás, foram capas apenas na versão latino-americana da revista.

Essa checagem também foi feita pelo UOL Confere. Recebeu algum conteúdo suspeito pelo WhatsApp? Encaminhe para nosso número, (11) 99263-7900.

Mais conteúdo sobre:

lulafake newsthe economist