Boato sobre Marielle mistura Siciliano, Mangueira e assessora da vereadora
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Boato sobre Marielle mistura Siciliano, Mangueira e assessora da vereadora

Mensagem afirma que ela teria posado para foto ao lado de 'um de seus assassinos', que seria 'guarda costas' do presidente da Mangueira

Alessandra Monnerat e Caio Sartori

22 de março de 2019 | 05h00

Um boato que circula no WhatsApp e compartilhado também nas redes sociais cita informações falsas ao divulgar uma foto (verdadeira) em que a vereadora assassinada Marielle Franco (PSOL-RJ) aparece ao lado do também vereador Marcello Siciliano (PHS-RJ), que chegou a ser apontado no ano passado como suspeito no caso Marielle.

O texto afirma que Siciliano seria “um dos assassinos” da vereadora do PSOL, morta em março do ano passado no centro do Rio. Apesar de ele ter sido apontado por um delator como suspeito do crime em maio de 2018 — informação divulgada em reportagem do jornal ‘O Globo’ —, a hipótese perdeu força depois que a Polícia Civil prendeu, no dia 12 de março deste ano, dois suspeitos de terem executado o assassinato: Ronnie Lessa e Élcio Vieira de Queiroz.

Vereadora Marielle Franco foi assassinada em 14 de março, no centro do Rio Foto: Renan Olaz/CMRJ

Outra alegação do boato diz que Siciliano seria “guarda costas” do presidente da escola de samba Mangueira, que homenageou Marielle no último Carnaval do Rio de Janeiro e foi campeã. Sem citar o nome do presidente, “preso por crimes diversos”, o texto provavelmente se refere a Chiquinho da Mangueira (PSC-RJ), afastado do cargo na escola e do mandato de deputado na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) após ser preso em novembro de 2018.

Chiquinho foi um dos alvos da Operação Furna da Onça, deflagrada a fim de apurar a participação de deputados do Rio em um esquema de corrupção, lavagem de dinheiro e loteamento de cargos no Estado. Os relatórios de movimentações bancárias suspeitas do agora senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) foram revelados no âmbito da mesma operação.

Não há nenhum indício de que Siciliano teria sido “guarda costas” de Chiquinho. O reduto eleitoral do vereador é na zona oeste do Rio. O morro da Mangueira está localizado na zona norte da cidade.

O boato no WhatsApp cita ainda que as digitais da assessora de Marielle apareceram no carro utilizado no crime, o que é verdade. No entanto, o delegado da Divisão de Homicídios da capital, Giniton Lages, explicou que ela tocou a porta porque havia pedido uma corrida em um aplicativo e confundiu as características do veículo usado pelos criminosos.

Marielle e viúva já tinham união estável

Outra mensagem anônima que tem circulado no WhatsApp diz que o deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ) teria intermediado uma conversa entre a mãe de Marielle, Marinete da Silva, e a viúva da vereadora, Mônica Benício. O parlamentar teria pedido que a família reconhecesse uma união estável entre as duas, para que Mônica tivesse direitos a benefícios. O boato diz ainda que Marinete não aceitou porque o casal não morava junto.

Há ao menos duas informações falsas na mensagem. Primeiramente, Marielle e Mônica já tinham celebrado união estável, pouco antes de a vereadora anunciar sua primeira e única candidatura. As duas se relacionavam há pelo menos uma década e planejavam se casar. Além disso, o casal morava junto com a filha de Marielle, Luyara. As informações estão em uma entrevista concedida por Mônica ao portal ‘UOL’.

Freixo era o padrinho político de Marielle, e empregou a vereadora em seu gabinete na Alerj. O suposto encontro promovido por ele descrito na mensagem não foi divulgado em nenhum lugar.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: